sicnot

Perfil

Mundo

Rússia começa a reduzir presença militar na Síria

Alepo, Síria - Um homem caminha sobre destroços depois de um ataque aéreo.

© Abdalrhman Ismail / Reuters

A Rússia informou esta sexta-feira ter começado a reduzir a sua presença militar na Síria, devendo o seu único porta-aviões na zona ser o primeiro a deixar a zona de conflito.

"De acordo com a decisão do comandante supremo das forças armadas russas, Vladimir Putin, o ministério russo da Defesa está a começar a redução do destacamento militar na Síria", escreveram as agências russas, citando o chefe do Estado-maior das Forças Armadas russas, Valery Gerasimov.

A retirada começará pela partida da região do porta-aviões Admiral Kuznetsov e dos navios que fazem parte do mesmo grupo, acrescentou a mesma fonte.

"As tarefas definidas para o grupo do porta-aviões na sua missão militar foram cumpridas", disse por seu lado o principal comandante militar da Rússia na Síria, Andrei Kartapolov, citado pelas agências.

Kartapolov disse que a Rússia ainda tem suficientes capacidades defensivas aéreas na Síria, graças aos sistemas S-300 e S-400 destacados no país em guerra.

Moscovo tem sido um importante apoiante do presidente sírio Bashar Al-Assad na guerra civil síria, que começou na primavera de 2011.

Desde setembro de 2015, a Rússia aumentou o seu poder militar no terreno e ao largo da costa síria, no Mediterrâneo, em apoio às forças do regime que visavam recuperar a cidade de Alepo.

As tropas leais a Assad conseguiram no mês passado expulsar os últimos rebeldes da cidade, na sua maior vitória militar em mais de cinco anos de conflito, permitindo a Moscovo lançar uma nova tentativa de chegar a uma solução política para o conflito.

O presidente Putin ordenou a redução da presença militar russa na Síria a 29 de dezembro, quando anunciou um cessar-fogo entre as forças do governo e os rebeldes que desde então fez reduzir os combates.

Já em março do ano passado Putin tinha anunciado uma retirada parcial das forças russas na Síria, mas teve depois de voltar a reforçar a presença no país devido ao intensificar do conflito.

Lusa

  • Rúben Lima nega crimes de corrupção no processo Cashball
    6:04

    Desporto

    Rúben Lima, um dos 8 jogadores suspeitos de terem sido aliciados por intermediários ao serviço do Sporting para beneficiar o clube de Alvalade, nega todos os crimes investigados pela Polícia Judiciária. Numa entrevista exclusiva à SIC, o jogador do Moreirense garante que não conhece nenhum dos quatro arguidos detidos no âmbito do processo Cashball.

    Exclusivo SIC

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • Rui Rio alerta que violações do segredo de justiça ameaçam democracia
    2:16

    País

    Rui Rio diz que não pede demissões "a cada esquina" e prefere aguardar pelas respostas do ministro Adjunto Siza Vieira, sobre o alegado conflito de interesses com os acionistas chineses da EDP. O líder do PSD esteve esta terça-feira reunido com a direção nacional da Polícia Judiciária, onde defendeu que a violação do segredo de justiça é insustentável e ameaça o regime democrático.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • A maior obra de reconversão urbana em Portugal 20 anos depois
    3:47