sicnot

Perfil

Mundo

Portugueses entre os quatro mortos em acidente de autocarro em França

As agências Lusa e France Press avançam que os quatro mortos num acidente de autocarro numa estrada no centro de França são portugueses, segundo um novo balanço provisório das autoridades divulgado pela edição online da Creusot-Info.

Fonte da polícia francesa confirmou à Lusa que "o autocarro transportava 32 pessoas, morreram quatro e há alguns feridos graves", mas não precisou as nacionalidades das vítimas mortais do acidente, que ocorreu no distrito de Saône-et-Loire, no centro de França.

Inicialmente as autoridades davam conta de cinco mortos portugueses.

O acidente aconteceu às 04:30 locais (menos uma hora em Lisboa) e "visivelmente terá sido o gelo" na estrada, com "temperaturas negativas" na zona, a provocá-lo, mas "não houve colisão com outro veículo", de acordo com a fonte contactada pela lusa.

A polícia confirmou ainda que o autocarro fazia a ligação Portugal-Suíça e que o acidente ocorreu na Estrada Nacional 79 na direção Mâcon-Moulins, num troço da RCEA (Estrada Centro Europa e Atlântico), "conhecida por ser muito perigosa em França".

De acordo com o jornal Le Parisien, trata-se do acidente rodoviário mais grave em França desde março do ano passado, quando, na mesma estrada, 12 portugueses morreram na sequência de um choque frontal entre a carrinha em que seguiam e um veículo pesado.

De acordo com a estação de rádio RTL, há 24 feridos, incluindo três em estado muito grave.

O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, disse à Lusa pouco depois das 07:30 que já estava em contato com o consulado para apurar a dimensão do acidente, sem adiantar mais informações.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite