sicnot

Perfil

Mundo

Japonês convida pessoas a conversarem ao telefone com parentes mortos

Itaru Sasaki decidiu convidar as pessoas a visitar o seu jardim para conversar ao telefone com os seus parentes mortos. O caso está acontecer no Japão, mais propriamente em Otsushi, uma cidade bastante afetada pelo terramoto seguido de tsunami de 2011.

Parte da costa noroeste do Japão foi devastada por um terramoto, seguido de tsunami, em março de 2011. Cerca de 16 mil pessoas morreram e mais de duas mil desapareceram. Entre as vítimas, estão mais de 400 moradores de Otsushi.

Por entre ruínas e obras de reconstrução, os habitantes da cidade ainda estão de luto pela morte os entes queridos. Para responder a este luto, um dos residentes Itaru Sasaki decidiu criar um "curativo" para as dores dos cidadãos: uma cabine telefónica desligada - instalada no seu jardim - para os moradores "conversarem" com aqueles que partiram.

A esposa de Itaru Sasaki falou com a BBC e explicou que o "Telefone do Vento" é um meio para se comunicar com essas pessoas. Há quem o faça com palavras. Outros escolhem as cartas. Yuko Sasaki explica que este telefone funciona "através da mente".

"Feche os olhos. Ouça com atenção. Se ouvir o som do vento, uma onda ou talvez um passarinho, abra o coração. O seu sentimento vai alcançar aquela pessoa, de certeza."

A cabine telefónica localiza-se num jardim, no topo do Monte Kujira e com vista para o Oceano Pacífico. Faça chuva ou faça sol, todos os dias aparecem pessoas para usar o telefone e enviar as suas mensagens àqueles que partiram. Ou, simplesmente, para tentar aliviar a tristeza que sentem.

Mikinee.

Itaru Sasaki é o dono do jardim. O homem de 71 anos trabalhou a vida inteira como operário, mas hoje em dia "desenha" jardins.

"Comecei a planear a cabine em 2009", explica. "Naquela época, o meu primo tinha sido diagnosticado com cancro e os médicos deram-lhe três meses de vida."

A 11 de março de 2011, Itaru estava no jardim quando começou a sentir o terramoto. "Foi tão forte que tive medo que o prédio caísse". A casa de Sasaki fica o suficiente acima do mar para que não tenham sido atingidos pelo tsunami

. "Trouxe a cabine para o jardim como peça de arte. Mas depois veio a doença do meu primo e o desastre de 2011."

Mais de 16 mil pessoas morreram. "Todas essas pessoas estavam a cumprir os seus deveres. Mas quando anoiteceu, não conseguiram encontrar as suas famílias, outra vez". Desta maneira, o homem decidiu assim criar uma maneira de conectar os sentimentos do que partiram aos dos que sobreviveram.

No entanto, Itaru ainda não usou o telefone para "conversar" com o seu primo.

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.