sicnot

Perfil

Mundo

Quadros da Samsung interrogados no âmbito de caso de corrupção sul-coreano

© Reuters

Dois quadros do grupo empresarial Samsung foram interrogados esta segunda-feira como testemunhas no âmbito do caso de corrupção sul-coreano que já levou à destituição da Presidente Park Geun-hye.

Choi Soon-sil, amiga próxima da Presidente, foi acusada de ter extorquido, com a cumplicidade de Park, dezenas de milhões de dólares aos principais conglomerados do país, através de duas fundações, de modo a apropriar-se dos fundos.

Choi Gee-sung, um vice-presidente da Samsung, e Chang Choong-ki, um dos presidentes do grupo sul-coreano, foram interrogados esta segunda-feira na qualidade de testemunhas pelos magistrados do Ministério Público responsáveis pelo caso de corrupção e tráfico de influências, informou a agência Yonhap.

O Ministério Público acusou a amiga da Presidente de extorquir empresas, incluindo a Samsung, para que doassem cerca de 77.400 milhões de wones (62 milhões de euros) a duas fundações que Choi controlava efetivamente, dinheiro de que se apropriou parcialmente.

No passado dia 6 de dezembro, o vice-presidente da Samsung Electronics e líder do Grupo Samsung, Lee Jae-yong, negou durante uma comissão parlamentar ter doado dinheiro a troco de favores a Choi Soon-sil, já conhecida como "Rasputina".

Lee foi interrogado na Assembleia Nacional de Seul, a par com responsáveis de outros sete conglomerados locais, sobre a sua implicação no maior escândalo político das últimas décadas no país.

O caso gerou uma onda de indignação na Coreia do Sul e protestos de larga escala.

O parlamento, controlado pela oposição, aprovou a destituição da Presidente a 9 de dezembro, decisão que terá de ser ratificada, num prazo de seis meses, pelo Tribunal Constitucional.

Os seus poderes presidenciais estão suspensos, com o primeiro-ministro a liderar o Governo.

Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44