sicnot

Perfil

Mundo

Verdes alemães defendem prescrições sexuais para doentes ou deficientes

(Arquivo)

© Leonhard Foeger / Reuters

As pessoas doentes ou com deficiência devem ter o direito a ter sexo com prostitutas(os), pago com dinheiro público e mediante uma prescrição médica. A proposta é do partido alemão Os Verdes

A proposta defende que sejam as autoridades locais a cobrir os custos do sexo para os deficientes ou pessoas doentes, conforme explicou uma porta-voz do partido ao jornal "Welt am Sonntag".

A Alemanha legalizou a prostituição em 2002, pelo que são muitos os bordéis que funcionam um pouco por todo o país.Nos últimos anos, um número crescente de prostitutas começou a prestar "assistência sexual" a pessoas com demência ou deficiências fídicas, bem como a residentes em lares. Não há, porém, enquadramento legal para que esta "assistência" seja custeada como integrante dos cuidados médicos.

O modelo defendido pelos Verdes da Alamanha é o já existente na Holanda - onde há já muitos anos que o sexo pode ser, em alguns casos, pago como despesa médica.

A proposta implica que o paciente tenha uma prescrição médica, confirmando que o mesmo não consegue nem pagar aos trabalhadores do sexo, nem obter satisfação sexual de outro modo.

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33