sicnot

Perfil

Mundo

Álcool ativa as células cerebrais que estimulam a fome

© Regis Duvignau / Reuters

Cientistas no Reino Unido descobriram, numa experiência com ratinhos, que o álcool ativa os neurónios (células cerebrais) que, normalmente, estimulam a fome, publica esta terça-feira a revista Nature Communications.

A equipa, que agrega investigadores do Francis Crick Institute, da University College e do King's College, todas instituições em Londres, demonstraram que os componentes fundamentais dos circuitos do cérebro, localizados no hipotálamo, também são ativados pelo álcool.

Além disso, descobriram que a atividade dos neurónios AGRP do hipotálamo é essencial na ingestão de alimentos induzida pelo etanol, um dos componentes do álcool, perante a ausência de fatores sociais que podem levar ao ato de comer em excesso.

No estudo, os cientistas administraram 180 mililitros de álcool a ratinhos, durante três dias, uma experiência que resultou num aumento significativo da ingestão de comida, por comparação com roedores do grupo de controlo.

Os investigadores observaram que os neurónios AGRP que estimulam a fome, e que fazem parte do circuito de alimentação no cérebro dos ratinhos, também eram ativados pelo álcool.

Quando era eliminada a atividade destes neurónios, acabava a ingestão de alimentos em excesso.

Lusa

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.