sicnot

Perfil

Mundo

Álcool ativa as células cerebrais que estimulam a fome

© Regis Duvignau / Reuters

Cientistas no Reino Unido descobriram, numa experiência com ratinhos, que o álcool ativa os neurónios (células cerebrais) que, normalmente, estimulam a fome, publica esta terça-feira a revista Nature Communications.

A equipa, que agrega investigadores do Francis Crick Institute, da University College e do King's College, todas instituições em Londres, demonstraram que os componentes fundamentais dos circuitos do cérebro, localizados no hipotálamo, também são ativados pelo álcool.

Além disso, descobriram que a atividade dos neurónios AGRP do hipotálamo é essencial na ingestão de alimentos induzida pelo etanol, um dos componentes do álcool, perante a ausência de fatores sociais que podem levar ao ato de comer em excesso.

No estudo, os cientistas administraram 180 mililitros de álcool a ratinhos, durante três dias, uma experiência que resultou num aumento significativo da ingestão de comida, por comparação com roedores do grupo de controlo.

Os investigadores observaram que os neurónios AGRP que estimulam a fome, e que fazem parte do circuito de alimentação no cérebro dos ratinhos, também eram ativados pelo álcool.

Quando era eliminada a atividade destes neurónios, acabava a ingestão de alimentos em excesso.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50