sicnot

Perfil

Mundo

Dois homens detidos em Hong Kong por agressão a deputado pró-democracia

Nathan Law

© Bobby Yip / Reuters

A polícia em Hong Kong deteve esta terça-feira dois homens relacionados com a agressão ao deputado e ativista Nathan Law no domingo à chegada ao aeroporto da cidade, informou a Rádio e Televisão Pública local.

Os dois homens com 53 e 71 anos foram detidos sob suspeita da agressão, que resultou em ferimentos, e de reunião ilegal.

Na segunda-feira, Nathan Law acusou o Partido Comunista de ter mobilizado os manifestantes.

Nathan Law, de 23 anos - o mais jovem deputado de Hong Kong -, foi atacado por manifestantes pró-Pequim no aeroporto da cidade, no domingo à noite, depois de regressar de um fórum político em Taiwan.

O Fórum sobre a Democracia, Legislação e Movimentos Sociais, organizado pelo Partido Novo Poder (PNP) de Taiwan, foi muito criticado por Pequim, através do Gabinete dos Assuntos de Taiwan, que o qualificou como uma conspiração entre os movimentos de independência de Taiwan e Hong Kong para dividir a China.

A deslocação a Taiwan incluiu o ativista Joshua Wong, dirigente estudantil dos protestos pró-democracia de 2014, e os deputados Nathan Law, Edward Yiu e Eddie Chu.

Os deputados e ativistas já tinham sido alvo de protestos à partida de Hong Kong e à chegada a Taipé para participar no fórum.

O evento de dois dias tinha como objetivo ligar os movimentos democráticos de Hong Kong e Taiwan.

Nathan Law faz parte de uma nova vaga de deputados que apoia a ideia de autodeterminação para Hong Kong, uma Região Administrativa Especial da China com elevado grau de autonomia.

A ideia de independência para Hong Kong - um tema em tempos tabu - tem ganhado força desde os protestos pró-democracia de 2014, que não conseguiram obter a reforma política desejada.

Ao mesmo tempo, aumenta na cidade o receio de Pequim estar a aumentar o seu controlo.

Lusa

  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, até ao final de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano vão ser contratados novos assistentes de bordo, mas o sindicato diz que não chega.