sicnot

Perfil

Mundo

Homem armado faz vários reféns na Universidade do Alabama

Um homem armado fez esta terça-feira vários reféns no Campus Universitário do Alabama, nos Estados Unidos da América. A polícia e o FBI estão neste momento a negociar com o sequestrador.

O homem está barricado desde as 8:30 locais (14:30, em Portugal) num banco de crédito, localizado no Campus Universitário do Alabama.

O presidente do Alabama Credit Union Steve Swofford disse à Fox 6 que os empregados do banco estão fora de perigo. Contudo, não adiantou informações sobre quem se encontra dentro da agência.

A universidade já lançou um alerta para avisar as pessoas a ficar longe do local até a situação ficar resolvida.

Os alunos só regressam amanhã às aulas depois da pausa de inverno.

As autoridades ainda não sabem o que levou o homem a entrar na agência bancária, mas adiantam que não se tratará de um roubo.

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Abate de animais nos canis proibido a partir de setembro
    1:35

    País

    O abate de animais nos canis passa a ser proibido a partir de setembro. Só em 2017, foram mortos cerca de 12 mil cães e gatos, uma média de um abate por hora. O Governo lançou um programa de incentivos financeiros de um milhão de euros, que ainda está a decorrer.

  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • Colheita da cereja já arrancou no Fundão
    1:54

    País

    A colheita das primeiras cerejas da época já começou no Fundão. A campanha atrasou um mês em relação a anos anteriores, por causa do inverno que se prolongou, mas os produtores garantem que o fruto é de qualidade.