sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 20 mortos e 70 feridos em duplo atentado em Cabul 

As proximidades do Parlamento do Afeganistão, em Cabul, já foram palco de outros atentados. Na imagem, um ataque que teve lugar em junho de 2015.

© Ahmad Masood / Reuters

Mais de 20 pessoas morreram e 70 ficaram feridas num duplo ataque bombista, junto ao Parlamento afegão, em Cabul. O atentado teve lugar ao final da tarde, a uma hora de muito movimento, numa altura que muitas pessoas estavam a deixar as instalações.

Uma fonte das autoridades de Saúde disse à agência Reuters, pouco depois do ataque, que 23 pessoas morreram. Mais tarde, o balanço de vítimas mortais, a maioria civis, passava para 21.

Relatos de testemunhas são conta da explosão de duas bombas, quase em simultâneo, na mesma rua, junto ao Parlamento. Um dos ataques foi levado a cabo por um bombista suicida, o outro através de uma viatura armadilhada.

A confirmar-se o balanço de vítimas, este será o ataque mais sangrento, em vários meses, em Cabul.

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46