sicnot

Perfil

Mundo

Presidente venezuelano garante que não abandonou o cargo

© Handout . / Reuters

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou esta terça-feira a maioria parlamentar, da oposição, de usar a Assembleia Nacional (AN) para promover um golpe de Estado contra o seu Governo ao declarar que o chefe de Estado "abandonou" o cargo.

Maduro instou os poderes públicos a defenderem a soberania venezuelana, a garantir o vigor da ordem constitucional e empossou ao denominado Comando Anti Golpe de Estado.

"Como Presidente (da República) peço aos poderes públicos que não deixem ficar impunes as violações da Constituição e os desacatos à ordem legal. A AN aprovou um manifesto golpista", disse.

Nicolás Maduro falava numa alocução ao país, transmitida compulsivamente pelas rádios e televisões venezuelanas, a partir do Aeroporto Internacional de Maiquetía (norte de Caracas), antes de partir para a Nicarágua, para assistir à tomada de posse do quarto mandato do seu homólogo Daniel Ortega.

"Sou o Presidente da Venezuela, por mandato constitucional (...) a atuação da AN sobre o abandono do cargo faz rir", frisou o chefe de Estado, que apelou "ao povo revolucionário para trabalhar" e a não "deixar-se levar em provocações".

Por outro lado deu posse ao Comando Nacional Anti Golpe (CNA), criado para adotar medidas preventivas, legais e corretivas, contra os setores golpistas e "preservar a paz, estabilidade e soberania" da população.

O CNA, será dirigiu pelo vice-presidente da Venezuela Tareck El Aissami (ex-ministro do interior) e integra ainda a vice-presidente de Soberania Política, Segurança e Paz, Carmen Meléndez (ex-ministra da Defesa), o atual ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López, o deputado socialista Diosdado Cabello - considerado o número dois do regime -, o ministro de Relações Interiores, Néstor Reverol e o diretor do Serviço Bolivariano de Inteligência (serviços secretos), Gustavo González López.

"Estamos obrigados a defender o direito das nossas famílias e da sociedade à paz e à tranquilidade", disse.

O parlamento venezuelano, onde a oposição detém a maioria, chegou segunda-feira a um acordo para declarar o "abandono do cargo" do Presidente Nicolás Maduro e exigir uma saída eleitoral para a crise político-económica que afeta o país.

O acordo foi conseguido com os votos a favor de 106 dos 167 deputados do parlamento, com o Polo Patriótico a acusar aquele organismo de "usurpar" funções para o qual não está facultado e com o Supremo Tribunal de Justiça a insistir que a Assembleia Nacional não está habilitada para demitir o chefe de Estado.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.