sicnot

Perfil

Mundo

Presidente venezuelano garante que não abandonou o cargo

© Handout . / Reuters

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou esta terça-feira a maioria parlamentar, da oposição, de usar a Assembleia Nacional (AN) para promover um golpe de Estado contra o seu Governo ao declarar que o chefe de Estado "abandonou" o cargo.

Maduro instou os poderes públicos a defenderem a soberania venezuelana, a garantir o vigor da ordem constitucional e empossou ao denominado Comando Anti Golpe de Estado.

"Como Presidente (da República) peço aos poderes públicos que não deixem ficar impunes as violações da Constituição e os desacatos à ordem legal. A AN aprovou um manifesto golpista", disse.

Nicolás Maduro falava numa alocução ao país, transmitida compulsivamente pelas rádios e televisões venezuelanas, a partir do Aeroporto Internacional de Maiquetía (norte de Caracas), antes de partir para a Nicarágua, para assistir à tomada de posse do quarto mandato do seu homólogo Daniel Ortega.

"Sou o Presidente da Venezuela, por mandato constitucional (...) a atuação da AN sobre o abandono do cargo faz rir", frisou o chefe de Estado, que apelou "ao povo revolucionário para trabalhar" e a não "deixar-se levar em provocações".

Por outro lado deu posse ao Comando Nacional Anti Golpe (CNA), criado para adotar medidas preventivas, legais e corretivas, contra os setores golpistas e "preservar a paz, estabilidade e soberania" da população.

O CNA, será dirigiu pelo vice-presidente da Venezuela Tareck El Aissami (ex-ministro do interior) e integra ainda a vice-presidente de Soberania Política, Segurança e Paz, Carmen Meléndez (ex-ministra da Defesa), o atual ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López, o deputado socialista Diosdado Cabello - considerado o número dois do regime -, o ministro de Relações Interiores, Néstor Reverol e o diretor do Serviço Bolivariano de Inteligência (serviços secretos), Gustavo González López.

"Estamos obrigados a defender o direito das nossas famílias e da sociedade à paz e à tranquilidade", disse.

O parlamento venezuelano, onde a oposição detém a maioria, chegou segunda-feira a um acordo para declarar o "abandono do cargo" do Presidente Nicolás Maduro e exigir uma saída eleitoral para a crise político-económica que afeta o país.

O acordo foi conseguido com os votos a favor de 106 dos 167 deputados do parlamento, com o Polo Patriótico a acusar aquele organismo de "usurpar" funções para o qual não está facultado e com o Supremo Tribunal de Justiça a insistir que a Assembleia Nacional não está habilitada para demitir o chefe de Estado.

Lusa

  • Morreu Miguel Beleza, antigo ministro das Finanças e governador do BdP
    1:34
  • Conselho Europeu elege sedes de agências em novembro

    Mundo

    Os líderes da UE adotaram os critérios para a escolha das cidades que acolherão as sedes das agências europeias atualmente em Londres, uma das quais a do Medicamento, que Portugal quer receber, agendando a eleição para novembro.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.