sicnot

Perfil

Mundo

Dois em cada três norte-americanos querem que Trump encerre a sua conta de Twitter

Um estudo da Universidade de Quinnipiac, nos Estados Unidos, conclui que 64% dos norte-americanos querem que o Presidente eleito, Donald Trump, encerre a sua polémica conta de Twitter, enquanto 51% desaprova a sua gestão desde as eleições.

A percentagem de norte-americanos que deseja que Trump encerre a conta de Twitter sobe para 71% quando os inquiridos têm entre 18 e 34 anos, de acordo com o estudo realizado publicado na terça-feira pela universidade do Connecticut.

Apenas 32% dos inquiridos -- 26% entre os mais jovens -- tem uma imagem positiva deste hábito do Presidente eleito.

As publicações de Trump no Twitter terão influenciado 51% dos inquiridos que desaprovam a sua gestão como Presidente eleito, enquanto apenas 37% a aprova.

Os números contrastam com os do Presidente Barack Obama, que vai deixar a Casa Branca no próximo dia 20 com uma taxa de aprovação de 55% e uma imagem negativa de 39%, os seus melhores resultados desde 2009, o seu primeiro ano como Presidente.

O estudo também revela que 45% dos norte-americanos acredita que Trump será pior Presidente que Obama, enquanto 34% prevê que será melhor e 15% acha que será igual.

No entanto, 52% mostra-se otimista sobre o futuro da economia do país e 47% considera que Trump vai ajudar ao seu crescimento, enquanto apenas 31% acredita que o vai prejudicar.

O inquérito foi realizado entre 02 e 05 de janeiro, a 899 eleitores registados em todo o país e tem uma margem de erro de 3,3%.

  • Quem são os arguidos da operação Fizz
    2:29

    País

    É já considerado o julgamento do ano da justiça portuguesa e o caso que está a abalar as relações entre Portugal e Angola. O processo da operação Fizz tem quatro arguidos, mas um deles, já é certo, não irá sentar-se esta segunda-feira no banco dos réus.

  • Que shutdown é este que paralisou os EUA?
    2:27
  • Quase 100 atletas testemunharam contra médico Larry Nassar
    1:38

    Desporto

    Quase 100 atletas e antigas ginastas da seleção dos Estados Unidos da América confrontaram esta semana, em tribunal, o médico Larry Nassar, acusado de assédio sexual. Em dezembro, o clínico foi condenado a 60 anos de prisão por um tribunal do Michigan, por posse de pornografia infantil.