sicnot

Perfil

Mundo

Grupo jihadista Daesh colocou explosivos em sítios arqueológicos de Palmira

© Sana Sana / Reuters

A organização jihadista do Daesh colocou engenhos explosivos em diversos locais arqueológicos da cidade síria de Palmira, património mundial da Unesco e um dos mais importantes centros culturais do mundo antigo, informou esta quarta-feira uma ONG.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) referiu que a organização extremista, que controla esta povoação do deserto central sírio desde 11 de dezembro, colocou artefactos explosivos em diversos locais arqueológicos da povoação e arredores, como possível prelúdio a uma retirada perante o avanço do exército sírio.

Fonte militar síria destacada nessa área e contactada pela agência noticiosa Efe indicou por sua vez não possuir informações sobre a colocação de explosivos nas ruínas. Indicou ainda que o exército destruiu na terça-feira a oeste de Palmira sete veículos do Daesh que transportavam armas automáticas, e ainda um carro armadilhado.

O Daesh voltou a apoderar-se de Palmira após um ataque desencadeado a 08 de dezembro no leste da província central síria de Homs, junto à fronteira com o Iraque e onde se situa esta cidade.

O grupo jihadista já tinha assumido o controlo da povoação entre maio de 2015 e março de 2016.

Na ocasião, foram expulsos de Palmira pelo exército nacional, com o apoio da aviação russa.

Na sua primeira ocupação de Palmira, o Daesh converteu a zona de ruínas greco-romanas num campo de minas, eliminadas mais tarde por sapadores russos após a recuperação da cidade pelas forças de Damasco.

No entanto, os jihadistas dinamitaram os templos de Bel e de Bal Shamin, o Arco do Triunfo, e destruíram diversas estátuas do museu da cidade.

A arte e a arquitetura de Palmira testemunham uma encruzilhada de diversas civilizações, onde confluem as técnicas greco-romanas com as tradições locais e influências persas.

Nos séculos I e II da nossa era foi um importante centro cultural e ponto de encontro das caravanas da Rota da Seda, que atravessavam o árido deserto do centro da Síria.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.