sicnot

Perfil

Mundo

Bebé raptada em hospital encontrada 18 anos depois

Uma bebé com poucos dias de vida, que tinha sido raptada em 1998 de um hospital na Florida, Estados Unidos, foi encontrada com vida 18 anos depois.

Kamiyah Mobley nasceu a 10 de junho de 1998 e foi levada do Centro Médico Universitário por uma mulher. O momento do rapto foi captado pelas câmaras de vigilância.

Depois de uma investigação que chegou a contar com mais de duas mil pistas, a polícia de Jacksonville confirmou ter encontrado a menina "viva e bem de saúde", na cidade de Walterboro, na Carolina do Sul.

Um teste de ADN confirmou que se tratava da rapariga em questão, que usa outro nome, que não foi divulgado pelas autoridades.

A foto de Kamiyah Mobley ainda bebé e da mulher que a raptou, Gloria Williams

A foto de Kamiyah Mobley ainda bebé e da mulher que a raptou, Gloria Williams

Twitter

A identidade da jovem será preservada para que a própria tenha tempo para lidar com esta nova realidade, disseram as autoridades.

A mulher responsável pelo rapto, que criou a menina como se fosse a filha biológica, está agora acusada de sequestro

  • Morreu o companheiro de Nelson Mandela

    Mundo

    Ahmed Kathrada, activista e ícone sul-africano que lutou ao lado de Mandela contra o "apartheid" morreu hoje aos 87 anos, informou a fundação de caridade Kathrada.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23
  • Vidas Suspensas: Delfim 353
    29:30
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.