sicnot

Perfil

Mundo

Trump cometerá "pura loucura" se apostar na fragmentação da UE

© Mike Segar / Reuters

O embaixador norte-americano cessante junto da União Europeia (UE), Anthony Gardner, considerou esta sexta-feira que a futura administração de Donald Trump cometerá uma "pura loucura" caso aposte, como parece pretender fazê-lo, numa fragmentação da UE.

"Seria uma pura loucura pensar que ao apoiar uma fragmentação da Europa estaremos a defender os nossos interesses", declarou Anthony Gardner durante um encontro com os jornalistas, a uma semana da sua partida de Bruxelas.

O diplomata disse ter sido informado de diversos telefonemas efetuados por membros da equipa de transição de Donald Trump para instituições europeias, pretendendo saber se a saída do Reino Unido da UE implicaria mais abandonos.

"Foi uma das questões que se colocou, qual seria o próximo país a partir, e que é uma forma de sugerir que o edifício está prestes a desabar", referiu o número um da embaixada dos Estados Unidos junto da UE nos últimos três anos.

"É uma perceção que Nigel Farage (antigo líder do partido nacionalista britânico UKIP) está aparentemente em vias de transmitir a Washington. Trata-se de uma caricatura", acrescentou, numa referência ao eurodeputado britânico que liderou a campanha pelo Brexit, e que foi recebido por Donald Trump pouco após a sua vitória eleitoral de novembro.

Anthony Gardner, antigo responsável do Banco da América e da General Electric em Londres, designado embaixador por Barack Obama, recordou que os EUA apoiam desde há 50 anos a integração da UE, porque beneficia os dois blocos em diversos aspetos (político, económico, securitário).

A administração Trump vai efetuar "uma abordagem errada" caso mantenha unicamente as suas relações com os grandes países definidos como os melhores amigos, caso do Reino Unido ou Alemanha, partindo do "falso" princípio que a UE não é eficaz, assinalou ainda o diplomata norte-americano.

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicoui porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.