sicnot

Perfil

Mundo

Trump admite levantar sanções dos Estados Unidos à Rússia

© Mike Segar / Reuters

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu a possibilidade de levantar as sanções do seu país à Rússia e de não apoiar a política 'Uma só China' se Pequim não melhorar as suas práticas comerciais e monetárias.


Numa entrevista ao jornal Wall Street Journal publicada na sexta-feira, Trump disse que irá manter intactas "pelo menos por um período de tempo" as sanções do presidente Barack Obama impostas à Rússia no mês passado devido aos alegados ciberataques para influenciar as eleições norte-americanas.

No entanto, se a Rússia ajudar os Estados Unidos em objetivos centrais como a luta contra o extremismo violento, Trump admitiu a possibilidade de levantar as medidas punitivas.

O novo chefe de Estado disse ainda estar preparado para se encontrar com o Presidente Vladimir Putin depois de tomar posse, no dia 20 deste mês.

Trump já expressou admiração por Putin e mostrou-se relutante perante as conclusões dos serviços de informação norte-americanos de que piratas informáticos russos interferiram nas eleições, em nome de Putin.

Sobre a política de longa data dos Estados Unidos de não reconhecerem Taiwan diplomaticamente, Trump disse: "Tudo está em negociação, incluindo [a política] 'Uma China'".


  • Rússia nega ter informação que possa comprometer Trump
    2:59

    Mundo

    A Rússia nega ter informação pessoal secreta com a qual possa chantagear o Presidente eleito dos Estados Unidos. Alguns órgãos de comunicação social norte-americanos garantem que os Serviços Secretos dos Estados Unidos já avisaram não só Trump, mas também Barack Obama. O relatório foi entretanto tornado público mas ninguém até agora confirmou se é verdadeiro.

  • Manifestação contra resultados do partido alemão de Extrema-Direita
    0:39
  • Ciclista Peter Sagan tricampeão do mundo

    Desporto

    O eslovaco Peter Sagan deixou este domingo mais uma marca na história do ciclismo, ao sagrar-se campeão do mundo de fundo pela terceira vez consecutiva, uma proeza inédita para norueguês ver e lamentar.