sicnot

Perfil

Mundo

França e Alemanha defendem unidade e confiança da UE frente a novo Presidente dos EUA

© Shannon Stapleton / Reuters

O chefe da diplomacia francesa, Jean-Marc Ayrault, considerou esta segunda-feira que "a melhor resposta" dos europeus às últimas declarações de Donald Trump sobre a UE é "mostrar unidade".

"A melhor resposta à entrevista do presidente norte-americano é a unidade dos europeus", é "fazer um bloco", declarou Ayrault, à chegada a Bruxelas, onde vai participar numa reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros.

O vice-chanceler alemão, Sigmar Gabriel, também comentou a entrevista de Trump, afirmando que a UE deve responder "com confiança".

"Penso que nós, europeus, não devemos cair em profunda depressão. Não subestimo o que Trump disse sobre a NATO ou a UE, mas nesta situação fazia-nos bem mostrarmos um pouco de confiança", afirmou Gabriel, também ministro da Economia, ao diário Bild.

Numa entrevista aos diários britânico The Times e alemão Bild, Trump considerou que o Reino Unido "teve razão" em sair da UE ('Brexit'), acrescentando que outros países vão deixar a UE.

Donald Trump, que toma posse na sexta-feira como Presidente dos EUA, prevê que o "Brexit" (a saída do Reino Unido da União Europeia) vai ser "um êxito" e anunciou que quer concluir rapidamente um acordo comercial com os britânicos.

Na entrevista, disse que a chanceler alemã, Angela Merkel, cometeu "um erro catastrófico" ao abrir as fronteiras do seu país aos refugiados, que classificou como "estes ilegais".

Trump qualificou a NATO como uma organização obsoleta, censurando os Estados-membros por não pagarem a sua parte na defesa comum e 'encostarem-se' aos Estados Unidos.

"É suposto protegermos estes países, mas muitos deles não pagam o que deviam", apontou.

Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.