sicnot

Perfil

Mundo

Investigadores espanhóis criam "capa de invisibilidade"

Investigadores da Universidade Pública de Navarra (UPNA) e da Universidade Politécnica de Valência (UPV) criaram uma "capa de invisibilidade" que consegue ocultar objetos em ambientes difusos, sob qualquer tipo de iluminação.

Segundo um comunicado da UPNA a investigação estabelece as bases para, por exemplo, tornar um avião indetetável entre o nevoeiro ou um submarino no mar.

No seguimento do estudo, publicado na revista Physical Review A., os investigadores trabalham agora na construção em laboratório da capa de invisibilidade que simularam.

Os ambientes difusos são aqueles em que a luz não se propaga em linha reta, como um dia de neblina, águas turvas, um lugar com fumos ou tecido orgânico do corpo humano.

A ideia de tornar um objeto invisível com material especial capaz de afastar a luz foi proposta há cerca de uma década e desde então os cientistas comprovaram que a realização deste tipo de dispositivo é muito difícil.

"Recentemente demonstrou-se que essa dificuldade desaparece se o objeto que se quer ocultar está num ambiente difuso", já que neste caso é possível construir, de forma relativamente simples, "capas de invisibilidade de tamanho macroscópico, que funcionam para qualquer direção da luz e numa grande largura de banda", disse o investigador Alejandro Martínez Abiétar, do Centro de Tecnologia Nanofotónica.

Até agora, acrescentou, as capas de invisibilidade não funcionam corretamente quando o objeto é iluminado com focos de luz de curta duração. A proposta dos investigadores da UPNA e da UPV "resolve o problema utilizando uma abordagem diferente, baseada numa técnica conhecida como ótica de transformação, que permite conhecer que material é mais adequado para criar a capa e ocultar o objeto".

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.