sicnot

Perfil

Mundo

Investigadores espanhóis criam "capa de invisibilidade"

Investigadores da Universidade Pública de Navarra (UPNA) e da Universidade Politécnica de Valência (UPV) criaram uma "capa de invisibilidade" que consegue ocultar objetos em ambientes difusos, sob qualquer tipo de iluminação.

Segundo um comunicado da UPNA a investigação estabelece as bases para, por exemplo, tornar um avião indetetável entre o nevoeiro ou um submarino no mar.

No seguimento do estudo, publicado na revista Physical Review A., os investigadores trabalham agora na construção em laboratório da capa de invisibilidade que simularam.

Os ambientes difusos são aqueles em que a luz não se propaga em linha reta, como um dia de neblina, águas turvas, um lugar com fumos ou tecido orgânico do corpo humano.

A ideia de tornar um objeto invisível com material especial capaz de afastar a luz foi proposta há cerca de uma década e desde então os cientistas comprovaram que a realização deste tipo de dispositivo é muito difícil.

"Recentemente demonstrou-se que essa dificuldade desaparece se o objeto que se quer ocultar está num ambiente difuso", já que neste caso é possível construir, de forma relativamente simples, "capas de invisibilidade de tamanho macroscópico, que funcionam para qualquer direção da luz e numa grande largura de banda", disse o investigador Alejandro Martínez Abiétar, do Centro de Tecnologia Nanofotónica.

Até agora, acrescentou, as capas de invisibilidade não funcionam corretamente quando o objeto é iluminado com focos de luz de curta duração. A proposta dos investigadores da UPNA e da UPV "resolve o problema utilizando uma abordagem diferente, baseada numa técnica conhecida como ótica de transformação, que permite conhecer que material é mais adequado para criar a capa e ocultar o objeto".

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.