sicnot

Perfil

Mundo

ONU exige "acesso imediato e seguro" a todas as zonas sitiadas da Síria

© Khalil Ashawi / Reuters

As principais agências humanitárias da ONU apelaram esta segunda-feira à oposição armada síria e às forças do presidente Bashar al-Assad para permitirem o "acesso imediato e seguro" a todas as zonas do país, incluindo as sitiadas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Serviço para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA), o Alto Comissariado para os Refugiados (ACNUR) e o Programa Alimentar Mundial (PAM) emitiram a declaração conjunta a propósito do Fórum Económico de Davos que decorre a partir de terça-feira e até sexta-feira na Suíça.

As agências assinalam que os seus trabalhadores continuam sem poder chegar às 15 áreas cercadas da Síria, apesar dos esforços para se conseguir uma paragem definitiva dos combates e da entrada em vigor, a 30 de dezembro, de um cessar-fogo entre Damasco e a oposição armada.

Tal significa que os habitantes das zonas sitiadas, cerca de 700.000 pessoas, incluindo 300.000 crianças, não recebem qualquer apoio humanitário por parte das Nações Unidas.

Além destes, quase cinco milhões de civis, dos quais dois milhões são menores, vivem em áreas às quais é "extremamente difícil" chegar e distribuir ajuda, devido à insegurança ou a restrições de acesso.

As agências humanitárias querem evitar um aumento do número das vítimas do conflito que, em perto de seis anos, matou mais de 310.000 pessoas e obrigou mais de metade da população a abandonar as suas casas. Expressaram ainda indignação pelo facto de as partes em conflito continuarem a usar "como armas de guerra" a negação de alimentos, água e apoio médico.

"Não devemos permitir que em 2017 se repitam na Síria as tragédias de 2016", alertaram.


Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20