sicnot

Perfil

Mundo

ONU exige "acesso imediato e seguro" a todas as zonas sitiadas da Síria

© Khalil Ashawi / Reuters

As principais agências humanitárias da ONU apelaram esta segunda-feira à oposição armada síria e às forças do presidente Bashar al-Assad para permitirem o "acesso imediato e seguro" a todas as zonas do país, incluindo as sitiadas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Serviço para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA), o Alto Comissariado para os Refugiados (ACNUR) e o Programa Alimentar Mundial (PAM) emitiram a declaração conjunta a propósito do Fórum Económico de Davos que decorre a partir de terça-feira e até sexta-feira na Suíça.

As agências assinalam que os seus trabalhadores continuam sem poder chegar às 15 áreas cercadas da Síria, apesar dos esforços para se conseguir uma paragem definitiva dos combates e da entrada em vigor, a 30 de dezembro, de um cessar-fogo entre Damasco e a oposição armada.

Tal significa que os habitantes das zonas sitiadas, cerca de 700.000 pessoas, incluindo 300.000 crianças, não recebem qualquer apoio humanitário por parte das Nações Unidas.

Além destes, quase cinco milhões de civis, dos quais dois milhões são menores, vivem em áreas às quais é "extremamente difícil" chegar e distribuir ajuda, devido à insegurança ou a restrições de acesso.

As agências humanitárias querem evitar um aumento do número das vítimas do conflito que, em perto de seis anos, matou mais de 310.000 pessoas e obrigou mais de metade da população a abandonar as suas casas. Expressaram ainda indignação pelo facto de as partes em conflito continuarem a usar "como armas de guerra" a negação de alimentos, água e apoio médico.

"Não devemos permitir que em 2017 se repitam na Síria as tragédias de 2016", alertaram.


Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59