sicnot

Perfil

Mundo

#sherlock leak: terão os russos pirateado a série britânica?

A cadeia de televisão russa Pervyi Kanal afirma ter sido alvo dos piratas informáticos que roubaram o último episódio da série britânica Sherlock Holmes. O enredo promete ser digno de uma das investigações do detetive britânico.

O último episódio da série deveria ter ido para o ar em Moscovo exatamente ao mesmo tempo que na Grã-Bretanha - segunda-feira à meia-noite em Moscovo, 21h00 em Londres. Mas no domingo apareceu na Internet todo o episódio, dobrado em russo.

"Segundo as primeiras informações, trata-se de um ataque de piratas informáticos", indicou a porta-voz da cadeia de televisão russa, Larissa Krymova. "Contactámos a BBC logo que soubemos da fuga (do episódio) e estamos a levar a cabo uma investigação interna para determinar quem foi a fonte".

A BBC também disse que fará uma investigação.

A difusão do episódio na Internet está a provocar polémica nas redes sociais, com muitos a afirmar que este é mais um episódio da guerra cibernética entre a Rússia e o ocidente.

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.