sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia insta Presidente dos Estados Unidos a perdoar Edward Snowden

© Brendan McDermid / Reuters

A Amnistia Internacional vai entregar, na quarta-feira, uma petição subscrita por quase 60 mil portugueses, que insta o Presidente dos Estados Unidos a emitir um perdão a Edward Snowden antes de terminar o mandato na Casa Branca.

A iniciativa, que reuniu mais de um milhão de assinaturas no mundo inteiro, incluindo 59.818 em Portugal, junta Amnistia Internacional, American Civil Liberties Union, Human Rights Watch, Demand Progress e CREDO Action, no âmbito da campanha Pardon Snowden.

Em 2013, Edward Snowden divulgou a alguns órgãos de comunicação social uma série de documentos que tornaram conhecidos os programas de vigilância maciça e ilegal a cidadãos em todo o mundo levados a cabo por agências de serviços secretos.

A Amnistia Internacional considera que "Edward Snowden agiu no interesse público" ao fazer a "denúncia de práticas ilegais pelo Estado" e sustenta que "ninguém deve ser acusado por revelar informações sobre violações de direitos humanos".

Perante a acusação de "traição" que Edward Snowden enfrenta nos Estados Unidos e "a falta de garantias de lhe ser prestado um julgamento justo no país natal", os promotores da petição instam Barack Obama a perdoá-lo antes de terminar o seu mandato presidencial, na sexta-feira, dia 20.

Edward Snowden, 33 anos, ex-analista informático, está exilado na Rússia desde 2013.

"Sem ele, o mundo continuaria na ignorância sobre uma colossal invasão de privacidade, e, com o que ele fez, assistimos agora a um emergente movimento global que luta pelos direitos humanos online", frisa a organização.

A Amnistia Internacional Portugal vai entregar a petição a uma delegação da embaixada dos Estados Unidos em Lisboa, composta pelo conselheiro político Gregory Macris e pela assessora para os assuntos políticos Georgina Félix, que serão recebidos na sede da organização, às 11:00.

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26