sicnot

Perfil

Mundo

Barack Obama perdoa independentista de Porto Rico

O Presidente cessante dos Estados Unidos, Barack Obama, concedeu esta terça-feira perdão ao independentista de Porto Rico, Óscar López Rivera e comutou a sua condenação à prisão, que termina a 17 de maio, informou fonte da Casa Branca.

O independentista, de 74 anos, foi condenado em 1981 a 55 anos de prisão por conspiração para tentar depor o Governo dos Estados Unidos na ilha e em 1988 foi condenado a outros 15 anos de prisão por tentativa de fuga.

Sem o perdão concedido hoje por Barack Obama, López Rivera só sairia da prisão em 2023, com 80 anos de idade.

Barack Obama utilizou o seu poder executivo para comutar a pena de López Rivera três dias antes de abandonar a Casa Branca.

A semana passada, cerca de 200 pessoas apelaram a Barack Obama clemência para López Rivera, em Washington, entregando 105.000 assinaturas, que se juntaram a outras 108.000 registadas na página na Internet "We The People".

Atualmente, López Rivera está preso no estabelecimento prisional de Terre Haute, no estado de Indiana.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.