sicnot

Perfil

Mundo

Força Aérea da Nigéria bombardeia civis e trabalhadores humanitários por engano

Jossy Ola

A Força Aérea da Nigéria confirmou ter bombardeado esta terça-feira, "acidentalmente", um campo de refugiados, uma centena de civis e trabalhadores humanitários, matando e ferindo um número indeterminado.

O bombardeamento aconteceu em Rann, no estado de Borno, no nordeste do país, perto da fronteira com os Camarões.

Um responsável local, que pediu o anonimato à agência AP, contabilizou em uma centena o número de mortos no incidente, já confirmado, oficialmente, pelo general Lucky Irabor.

Porém, o responsável pelas operações contra o grupo extremista Boko Haram no Nordeste da Nigéria disse apenas que terão morrido "alguns" civis e que terão ficado feridos trabalhadores humanitários, incluindo nigerianos que trabalham para os Médicos Sem Fronteiras e o Comité Internacional da Cruz Vermelha, e dois soldados.

Segundo disseram à agência AFP um funcionário dos Médicos Sem Fronteiras e um habitante local, terão morrido dezenas de pessoas quando o avião bombardeou um campo que acolhe pessoas que ficaram sem casa na sequência da perseguição do Boko Haram.

As mesmas fontes indicaram que o bombardeamento foi acidental e acrescentaram que "pelo menos 25 pessoas foram mortas e muitas mais foram feridas". Os Médicos Sem Fronteiras falam em "120 feridos e 50 mortos" entre o seu pessoal.

O comandante Lucky Irabor adiantou ter dado ordens para a missão baseando-se em informação de que os insurgentes do Boko Haram estariam na zona, referida por coordenadas geográficas. Segundo o militar, ainda é cedo para determinar se houve erro técnico, mas haverá uma investigação ao incidente.

O grupo Boko Haram quer instaurar um califado no norte da Nigéria, região maioritariamente muçulmana, ao contrário do sul, de maioria cristã.

Os ataques do Boko Haram mataram mais de 20 mil pessoas nos últimos sete anos, tendo criado 2,6 milhões de refugiados e instaurado uma grave crise humanitária.

Lusa

  • Enfermeiros especialistas em saúde materna retomam protesto 

    País

    Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia voltam quinta-feira de manhã a interromper as funções especializadas, o que pode afetar blocos de parto e maternidades. Queixam-se de "falta de resposta política adequada" e "ausência de acordos sérios".

  • Cristas vaiada em bairro de Chelas
    1:44

    Autárquicas 2017

    Assunção Cristas promete mudanças na Gebalis, a empresa municipal que gere os bairros sociais em Lisboa. Esta manhã, a candidata do CDS à câmara visitou um bairro de Chelas, onde foi vaiada por alguns populares.

  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • "Em vez de ajudarem, estavam a tirar fotos dela a morrer"
    1:13
  • Criança irrequieta domina noticiário britânico
    1:19