sicnot

Perfil

Mundo

"Crise" foi a Palavra do Ano para os angolanos em 2016

© Mike Hutchings / Reuters

"Crise" foi escolhida pelos angolanos como "Palavra do Ano" em 2016, no âmbito da iniciativa do grupo Porto Editora, que se realizou pela primeira vez no país, tendo também a língua nacional quimbundo em destaque.

Os resultados da votação 'online', que decorreu entre 01 e 31 de dezembro, foram revelados hoje, em Luanda, pela Plural Editores Angola, do grupo Porto Editora. A concurso estiveram outras nove palavras, tendo "crise" vencido com 31% dos votos."A palavra 'crise' marcou o ano de 2016 pela crise económica e financeira que o país atravessa, agravada pela baixa do preço do petróleo no mercado internacional", recordou a editora.

A 04 de maio, em Luanda, no lançamento da iniciativa, que já se realiza anualmente em Portugal e que em 2016 foi alargada a Angola e Moçambique, Paulo Machado Ribeiro, diretor-geral da Plural Editores Angola, antevia esta possibilidade. "A palavra 'crise' é uma forte candidata sem dúvida alguma. Ainda faltam muitos meses até ao final do ano, mas desde já é a palavra que mais nos surge na cabeça", disse então o responsável da empresa angolana, do grupo Porto Editora.

"Candando" foi a segunda palavra mais escolhida, com 22% dos votos. Trata-se de uma palavra cuja origem é da língua nacional quimbundo "kandandu", que significa abraço, cuja grafia (Candando) foi adotada para designar a nova cadeia de hipermercados que a empresária angolana Isabel dos Santos lançou em 2016.

"Kixiquila" foi a terceira palavra mais votada, com 12%.Também se trata de um termo com origem na língua nacional quimbundo, no caso "kixikila", que significa "assentar", numa alusão ao registo dos valores. Na prática, a kixiquila é hoje em dia uma forma de poupança a que muitos angolanos passaram a recorrer devido à crise. Juntam-se em grupos de amigos, colegas de trabalho ou vizinhos, descontando todos os meses uma parte do salário para uma espécie de cooperativa informal, que distribui mensalmente o "bolo" reunido por cada um dos participantes.

A Plural Editores está presente em Angola há cerca de dez anos e atua sobretudo na área da Educação, contando com mais de uma centena de títulos editados exclusivamente para o mercado angolano, que representa 25% das vendas totais do grupo.

A empresa editou em 2015 um conjunto de 26 títulos em Angola.De acordo com o grupo português, o objetivo da iniciativa "Palavra do Ano" é evidenciar a riqueza e o dinamismo criativo da língua portuguesa, chamando a atenção para a importância que as palavras têm no quotidiano.

Esta iniciativa realiza-se desde 2009 em Portugal, promovida pelo grupo Porto Editora, que já completou 72 anos.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.