sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 1.000 pessoas morreram devido a armas legais nos EUA em 10 anos

© ERIC THAYER / Reuters

Pelo menos 1.000 pessoas morreram em menos de 10 anos nos Estados Unidos devido a armas legais, 147 delas em 31 tiroteios, denunciou a organização norte-americana Violence Policy Center (VPC).

Kristen Rand, diretora da VPC, criticou o facto de aqueles "crimes horrendos" persistirem enquanto o 'lobby' da indústria de armas tenta obter licenças para todo o país e não apenas para o Estado que as dá.

A organização precisou que 921 pessoas morreram em 40 Estados e Washington DC desde maio de 2007 às mãos de portadores legais de armas e que nenhum caso se tratou de "legítima defesa".

O VPC salientou que o número pode ser ainda maior devido à inexistência de um "registo exaustivo dos incidentes mortais".

"Lamentavelmente, já não nos surpreende quando um atirador, como o do aeroporto de Fort Lauderdale, tem licença de porte de arma de fogo", disse Kristen Rand.

A 6 de janeiro, um antigo de militar matou cinco pessoas no aeroporto internacional de Fort Lauderdale, sul da Flórida.

Os números demonstram também, segundo a VPC, que as leis estatais que permitem as armas não aumentaram a segurança pública, "antes pelo contrário".

Lusa

  • "Miúdos de 5 e 6 anos a perguntar: a minha casa ardeu, o meu pai está queimado?"
    4:55
  • Presidente visita zonas afetadas pelos fogos
    2:00

    País

    Numa visita inesperada, o Presidente da República esteve esta manhã em Vouzela, um dos concelhos mais atingidos pelos incêndios. Marcelo Rebelo de Sousa vai estar nos próximos dias no distrito de Viseu.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.