sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 1.000 pessoas morreram devido a armas legais nos EUA em 10 anos

© ERIC THAYER / Reuters

Pelo menos 1.000 pessoas morreram em menos de 10 anos nos Estados Unidos devido a armas legais, 147 delas em 31 tiroteios, denunciou a organização norte-americana Violence Policy Center (VPC).

Kristen Rand, diretora da VPC, criticou o facto de aqueles "crimes horrendos" persistirem enquanto o 'lobby' da indústria de armas tenta obter licenças para todo o país e não apenas para o Estado que as dá.

A organização precisou que 921 pessoas morreram em 40 Estados e Washington DC desde maio de 2007 às mãos de portadores legais de armas e que nenhum caso se tratou de "legítima defesa".

O VPC salientou que o número pode ser ainda maior devido à inexistência de um "registo exaustivo dos incidentes mortais".

"Lamentavelmente, já não nos surpreende quando um atirador, como o do aeroporto de Fort Lauderdale, tem licença de porte de arma de fogo", disse Kristen Rand.

A 6 de janeiro, um antigo de militar matou cinco pessoas no aeroporto internacional de Fort Lauderdale, sul da Flórida.

Os números demonstram também, segundo a VPC, que as leis estatais que permitem as armas não aumentaram a segurança pública, "antes pelo contrário".

Lusa

  • Bruno de Carvalho e Octávio Machado suspensos

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, e o diretor-geral para o futebol, Octávio Machado, foram esta terça-feira suspensos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência de uma queixa apresentada pelo Benfica em novembro de 2015.

  • Corredora exausta é levada ao colo até à meta na meia maratona do amor
    1:06

    Mundo

    Aconteceu este domingo em Filadélfia, EUA. A poucos metros da meta uma corredora exausta é amparada por dois colegas. Mas o cansaço é tanto que fica sem força nas pernas. É quando aparece a terceira ajuda. Um homem volta para trás e leva-a no colo até à meta. A centímetros do fim larga-a para que a corredora possa atravessar a meta pelo seu próprio pé.

    Patrícia Almeida

  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho