sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 1.000 pessoas morreram devido a armas legais nos EUA em 10 anos

© ERIC THAYER / Reuters

Pelo menos 1.000 pessoas morreram em menos de 10 anos nos Estados Unidos devido a armas legais, 147 delas em 31 tiroteios, denunciou a organização norte-americana Violence Policy Center (VPC).

Kristen Rand, diretora da VPC, criticou o facto de aqueles "crimes horrendos" persistirem enquanto o 'lobby' da indústria de armas tenta obter licenças para todo o país e não apenas para o Estado que as dá.

A organização precisou que 921 pessoas morreram em 40 Estados e Washington DC desde maio de 2007 às mãos de portadores legais de armas e que nenhum caso se tratou de "legítima defesa".

O VPC salientou que o número pode ser ainda maior devido à inexistência de um "registo exaustivo dos incidentes mortais".

"Lamentavelmente, já não nos surpreende quando um atirador, como o do aeroporto de Fort Lauderdale, tem licença de porte de arma de fogo", disse Kristen Rand.

A 6 de janeiro, um antigo de militar matou cinco pessoas no aeroporto internacional de Fort Lauderdale, sul da Flórida.

Os números demonstram também, segundo a VPC, que as leis estatais que permitem as armas não aumentaram a segurança pública, "antes pelo contrário".

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33