sicnot

Perfil

Mundo

Snowden celebra comutação da pena de militar que passou documentos confidenciais dos EUA

© Elijah Nouvelage / Reuters

Edward Snowden, que expôs, em 2013, os programas de espionagem dos Estados Unidos, congratulou-se na terça-feira com a comutação da pena de Chelsea Manning, condenada a 35 anos de prisão por passar documentos confidenciais norte-americanos.

"Que seja aqui dito com sinceridade, de coração: Obrigado, Obama", escreveu, no Twitter, o antigo analista da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) que se encontra refugiado na Rússia.

Snowden também utilizou a rede social para enviar uma mensagem a Manning: "Dentro de cinco meses estarás livre. Obrigado pelo que fizeste por todos, Chelsea".

Na semana passada, ao admitir a possibilidade de Chelsea Manning ser perdoada, a Casa Branca esclareceu haver uma "grande diferença" entre o de Manning e o de Snowden, já que a primeira foi condenada e reconheceu a gravidade dos seus atos", enquanto o segundo "fugiu e refugiou-se num país que tentou minar a confiança da nossa democracia".

O porta-voz da Casa Branca Josh Earnest reconheceu que os atos de Chelsea Manning foram "graves para a segurança nacional", mas apontou que os de "Edward Snowden foram muito mais graves e muito mais perigosos".

Depois de a Casa Branca anunciar que o Presidente cessante dos Estados Unidos comutou a pena de Chelsea Manning, o Wikileaks também reivindicou "vitória": "Vitória: Obama comutou a pena de Chelsea Manning de 35 anos para sete. Vai ser libertada a 17 de maio", escreveu o Wikileaks na sua conta no Twitter.

A militar transexual, que antes se chamava Bradley Manning, foi condenada em agosto de 2013 a 35 anos de prisão por espionagem e outras ofensas, por ter passado ao Wikileaks mais de 700.000 documentos confidenciais.

Elogiada pelos seus apoiantes por revelar os abusos perpetrados pelos Estados Unidos no Iraque e no Afeganistão, Manning foi condenada por ter posto o país e compatriotas em perigo.

No início do mês, o Wikileaks referiu que o seu fundador Julian Assange concordava ser extraditado para os Estados Unidos se Barack Obama perdoasse Chelsea Manning.

A advogada do fundador do WikiLeaks, Melinda Taylor, afirmou que o compromisso continua de pé, indicando que "tudo o que (Assange) disse (se) mantém".

Julian Assange encontra-se refugiado na embaixada do Equador em Londres desde junho de 2012, para evitar ser extraditado para a Suíça, onde foi acusado de violação, acusação que nega.

Lusa

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.