sicnot

Perfil

Mundo

Temperatura global de 2016 foi a mais alta desde 1880

© Amit Dave / Reuters

A temperatura média na superfície terrestre e oceânica em 2016 foi a mais alta desde 1880, no terceiro ano consecutivo de recordes do aquecimento global, anunciou esta quarta-feira a agência dos Estados Unidos para a atmosfera e os oceanos.

"Durante 2016, a temperatura média na terra e nos oceanos esteve 0,94 graus Celsius acima da média do século XX" que foi de 13,9 ºC, refere a Administração Nacional para os Oceanos e a Atmosfera (NOAA, na sigla em inglês) no seu relatório anual sobre o clima global.

O ano passado foi o mais quente desde 1880, quando começaram os registos, ultrapassando o último recorde, atingido em 2015, e cada um dos primeiros oito meses de 2016, até agosto, registaram as temperaturas mais elevadas.

O relatório da NOAA acrescenta que desde o início do século XXI o recorde de temperatura global anual aumentou cinco vezes - em 2005, 2010, 2014, 2015 e 2016.

A extensão de gelo oceânico nos polos continua em regressão e no Ártico, no inverno, foi registada a mais pequena extensão pelo segundo ano consecutivo, enquanto na época do degelo foi registada a área mais pequena desde que existem registos, com uma regressão do gelo semelhante à ocorrida em 2007.

Na Antártida, no inverno, a extensão do manto de gelo oceânico foi a décima mais baixa e no degelo foi registado o nono mínimo em termos de área coberta de gelo.

Para a Europa, 2016 foi o terceiro ano mais quente, depois do pico de 2014 e do segundo lugar de 2015, ou seja, os últimos três anos tiveram as mais altas temperaturas dos últimos 107 anos.

E no último inverno europeu, entre dezembro de 2015 e fevereiro de 2016, a temperatura média apresentou igualmente um recorde de alta.

Para situações contrárias, de picos de frio, há somente registo no leste da Ásia, na China e Hong Kong.

Na superfície terrestre, em 2016, a temperatura ficou 1,43 ºC acima da média do século XX, com o nível mais alto desde 1880, ultrapassando, assim, o anterior recorde registado em 2015.

Quanto aos oceanos, a temperatura ficou 0,75 ºC acima da média do século passado, ligeiramente superior ao anterior pico, atingido em 2015.

O último mês do ano foi o terceiro dezembro mais quente desde 1880.

O Acordo de Paris sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa, alcançado em dezembro de 2015 e que entrou em vigor em 04 de novembro de 2016, estabelece compromissos da comunidade internacional para limitar o aquecimento global a um máximo de 2ºC acima dos valores médios da era pré-industrial.

A generalidade dos estudos científicos considera que se a temperatura global aumentar para valores mais de 2ºC acima dos existentes antes da revolução industrial provocará alterações climáticas severas e irreversíveis.

Lusa

  • Cientistas dizem que rápido degelo do Ártico é sinal de alarme
    1:30

    Mundo

    As temperaturas anormalmente altas e o rápido degelo estão a preocupar os cientistas, que alertam para que as mudanças na região polar poderão ter impactos globais e potencialmente desastrosos. O relatório "Resiliência do Ártico 2016" apresentado esta sexta-feira em Estocolmo, na Suécia, indica que os efeitos do aquecimento do Ártico poderão ser sentidos mesmo no oceano Índico. O investigador do Instituto do Ambiente de Estocolmo, Marcus Carson, avisa que a melhor forma de travar o aquecimento global é deixarmos de queimar combustíveis fósseis.

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".