sicnot

Perfil

Mundo

Trump diz que não gosta de usar o Twitter, mas tem de "contrariar" imprensa "desonesta"

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou esta quarta-feira que continuará a usar a rede social Twitter a partir da Casa Branca, o que alegou ser a sua única forma de "contrariar" a imprensa "desonesta".

"Não gosto de "tuítar". Há outras coisas que podia estar a fazer", disse Trump, numa entrevista à cadeia conservadora Fox.

Mas Trump, que assumirá a Presidência dos Estados Unidos na próxima sexta-feira, defendeu que tem, perante si, meios de comunicação "muito desonestos" e que o Twitter é a "única maneira" de "contrariar" a imprensa.

Já na campanha eleitoral, Trump utilizou a sua conta no Twitter para fazer anúncios, criticar a imprensa ou atacar os seus adversários.

Esta quarta-feira, o Presidente eleito acusou, numa série de "tuítes", a cadeia NBC de ser "totalmente tendenciosa" por não relacionar os anúncios de empresas como a Ford ou a GM de criar novos empregos nos EUA com a pressão que Trump fez para que essas companhias invistam no país.

"Perguntem aos principais executivos dessas empresas por factos reais. Voltaram (a investir) por minha causa", sublinhou, numa mensagem no Twitter.
Durante a entrevista à Fox, Trump foi questionado sobre a decisão de meia centena de congressistas democratas de não participar na cerimónia de posse, esta sexta-feira, em protesto pelas suas políticas exclusivas e as críticas ao ícone dos direitos civis John Lewis, legislador deste partido.

Sobre essas ausências, Trump disse não estar preocupado porque necessitam "desesperadamente" de lugares para outros convidados.

O magnata acrescentou ainda que muitas das celebridades que disseram que não irão à sua posse "nunca foram convidadas". "Não quero as celebridades, quero o povo", salientou.

Com Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50