sicnot

Perfil

Mundo

Trump diz que não gosta de usar o Twitter, mas tem de "contrariar" imprensa "desonesta"

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou esta quarta-feira que continuará a usar a rede social Twitter a partir da Casa Branca, o que alegou ser a sua única forma de "contrariar" a imprensa "desonesta".

"Não gosto de "tuítar". Há outras coisas que podia estar a fazer", disse Trump, numa entrevista à cadeia conservadora Fox.

Mas Trump, que assumirá a Presidência dos Estados Unidos na próxima sexta-feira, defendeu que tem, perante si, meios de comunicação "muito desonestos" e que o Twitter é a "única maneira" de "contrariar" a imprensa.

Já na campanha eleitoral, Trump utilizou a sua conta no Twitter para fazer anúncios, criticar a imprensa ou atacar os seus adversários.

Esta quarta-feira, o Presidente eleito acusou, numa série de "tuítes", a cadeia NBC de ser "totalmente tendenciosa" por não relacionar os anúncios de empresas como a Ford ou a GM de criar novos empregos nos EUA com a pressão que Trump fez para que essas companhias invistam no país.

"Perguntem aos principais executivos dessas empresas por factos reais. Voltaram (a investir) por minha causa", sublinhou, numa mensagem no Twitter.
Durante a entrevista à Fox, Trump foi questionado sobre a decisão de meia centena de congressistas democratas de não participar na cerimónia de posse, esta sexta-feira, em protesto pelas suas políticas exclusivas e as críticas ao ícone dos direitos civis John Lewis, legislador deste partido.

Sobre essas ausências, Trump disse não estar preocupado porque necessitam "desesperadamente" de lugares para outros convidados.

O magnata acrescentou ainda que muitas das celebridades que disseram que não irão à sua posse "nunca foram convidadas". "Não quero as celebridades, quero o povo", salientou.

Com Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.