sicnot

Perfil

Mundo

Tropas senelagesas na Gâmbia para obrigarem Jammeh a passar poder a novo Presidente

Adama Barrow

© Thierry Gouegnon / Reuters

As tropas senegalesas estacionadas na fronteira com a Gâmbia iniciaram esta quinta-feira à tarde uma operação neste país para obrigarem Yahya Jammeh a ceder o poder ao novo Presidente eleito, Adama Barrow, anunciou um porta-voz do Exército.

"Entraram hoje à tarde", disse à agência France Presse (AFP) o porta-voz do Exército senegalês, coronel Abdoul Ndiaye, quando questionado sobre se os militares senegaleses já tinham passado a fronteira.

Em Casamansa, no sul do Senegal, ouviram-se disparos durante a tarde desta quinta-feira, provenientes de várias aldeias próximas da fronteira com a Gâmbia, segundo um correspondente da AFP.

Os confrontos opuseram também soldados senegaleses e supostos rebeldes do Movimento das Forças Democráticas de Casamansa (MFDC) noutras aldeias nas proximidades, disseram testemunhas à AFP. O MFDC luta desde 1982 pela independência de Casamansa, que é considerada favorável ao regime do Presidente Jammeh.

O início das operações militares na Gâmbia foi anunciado pouco depois do fim da cerimónia de juramento do novo presidente da Gâmbia, Adama Barrow, realizada na embaixador da Gâmbia em Dakar. A cerimónia obteve os votos unânimes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

A CEDEAO, que pressionou o Presidente Jammeh a abandonar o cargo, alertara que este poderia recorrer à força para se manter no poder.

As operações das tropas senegalesas na Gâmbia são apoiadas pela Nigéria, que anunciou hoje à tarde ter efetuado voos de reconhecimento sobre Banjul, capital da Gâmbia, sublinhando que ia fazer cumprir a vontade da CEDEAO.O Gana também anunciou ter posto 205 militares ao dispor da CEDEAO.

Yahya Jammeh dirige, desde 1994, a Gâmbia, um pequeno país anglófono da África Ocidental com menos de dois milhões de habitantes, rodeado pelo Senegal à exceção da sua costa atlântica.

O Conselho de Segurança da ONU apoiou esta quinta-feira, por unanimidade, as iniciativas da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para retirar o presidente Yahya Jammeh do poder.

Uma resolução preparada pelo Senegal obteve o apoio dos 15 membros do Conselho, incluindo a Rússia, que ressalvou, no entanto, que o texto não autoriza formalmente uma intervenção militar na Gâmbia.

A CEDEAO tomou várias medidas no sentido de que Yahya Jammeh respeitasse o resultado das eleições de 01 de dezembro último que ditaram a vitória de Adama Barrow, mas o presidente Jammeh agarrou-se ao poder que detém há 22 anos.

Lusa

  • Crise política na Gâmbia obriga Presidente eleito a tomar posse no Senegal

    Mundo

    O vencedor das eleições presidenciais na Gâmbia assegura que vai tomar posse como Presidente na embaixada do país no vizinho Senegal. A garantia é dada por Adama Barrow numa mensagem nas redes sociais, na qual convida também a população a assistir à cerimónia, marcada para esta tarde. Barrow foi obrigado a abandonar o país no passado fim de semana e encontra-se desde então no Senegal. O atual Presidente Yahya Jammehrecusa-se a aceitar o resultado eleitoral.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.