sicnot

Perfil

Mundo

Tropas senelagesas na Gâmbia para obrigarem Jammeh a passar poder a novo Presidente

Adama Barrow

© Thierry Gouegnon / Reuters

As tropas senegalesas estacionadas na fronteira com a Gâmbia iniciaram esta quinta-feira à tarde uma operação neste país para obrigarem Yahya Jammeh a ceder o poder ao novo Presidente eleito, Adama Barrow, anunciou um porta-voz do Exército.

"Entraram hoje à tarde", disse à agência France Presse (AFP) o porta-voz do Exército senegalês, coronel Abdoul Ndiaye, quando questionado sobre se os militares senegaleses já tinham passado a fronteira.

Em Casamansa, no sul do Senegal, ouviram-se disparos durante a tarde desta quinta-feira, provenientes de várias aldeias próximas da fronteira com a Gâmbia, segundo um correspondente da AFP.

Os confrontos opuseram também soldados senegaleses e supostos rebeldes do Movimento das Forças Democráticas de Casamansa (MFDC) noutras aldeias nas proximidades, disseram testemunhas à AFP. O MFDC luta desde 1982 pela independência de Casamansa, que é considerada favorável ao regime do Presidente Jammeh.

O início das operações militares na Gâmbia foi anunciado pouco depois do fim da cerimónia de juramento do novo presidente da Gâmbia, Adama Barrow, realizada na embaixador da Gâmbia em Dakar. A cerimónia obteve os votos unânimes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

A CEDEAO, que pressionou o Presidente Jammeh a abandonar o cargo, alertara que este poderia recorrer à força para se manter no poder.

As operações das tropas senegalesas na Gâmbia são apoiadas pela Nigéria, que anunciou hoje à tarde ter efetuado voos de reconhecimento sobre Banjul, capital da Gâmbia, sublinhando que ia fazer cumprir a vontade da CEDEAO.O Gana também anunciou ter posto 205 militares ao dispor da CEDEAO.

Yahya Jammeh dirige, desde 1994, a Gâmbia, um pequeno país anglófono da África Ocidental com menos de dois milhões de habitantes, rodeado pelo Senegal à exceção da sua costa atlântica.

O Conselho de Segurança da ONU apoiou esta quinta-feira, por unanimidade, as iniciativas da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para retirar o presidente Yahya Jammeh do poder.

Uma resolução preparada pelo Senegal obteve o apoio dos 15 membros do Conselho, incluindo a Rússia, que ressalvou, no entanto, que o texto não autoriza formalmente uma intervenção militar na Gâmbia.

A CEDEAO tomou várias medidas no sentido de que Yahya Jammeh respeitasse o resultado das eleições de 01 de dezembro último que ditaram a vitória de Adama Barrow, mas o presidente Jammeh agarrou-se ao poder que detém há 22 anos.

Lusa

  • Crise política na Gâmbia obriga Presidente eleito a tomar posse no Senegal

    Mundo

    O vencedor das eleições presidenciais na Gâmbia assegura que vai tomar posse como Presidente na embaixada do país no vizinho Senegal. A garantia é dada por Adama Barrow numa mensagem nas redes sociais, na qual convida também a população a assistir à cerimónia, marcada para esta tarde. Barrow foi obrigado a abandonar o país no passado fim de semana e encontra-se desde então no Senegal. O atual Presidente Yahya Jammehrecusa-se a aceitar o resultado eleitoral.

  • Rúben Lima nega crimes de corrupção no processo Cashball
    6:04

    Desporto

    Rúben Lima, um dos 8 jogadores suspeitos de terem sido aliciados por intermediários ao serviço do Sporting para beneficiar o clube de Alvalade, nega todos os crimes investigados pela Polícia Judiciária. Numa entrevista exclusiva à SIC, o jogador do Moreirense garante que não conhece nenhum dos quatro arguidos detidos no âmbito do processo Cashball.

    Exclusivo SIC

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • Rui Rio alerta que violações do segredo de justiça ameaçam democracia
    2:16

    País

    Rui Rio diz que não pede demissões "a cada esquina" e prefere aguardar pelas respostas do ministro Adjunto Siza Vieira, sobre o alegado conflito de interesses com os acionistas chineses da EDP. O líder do PSD esteve esta terça-feira reunido com a direção nacional da Polícia Judiciária, onde defendeu que a violação do segredo de justiça é insustentável e ameaça o regime democrático.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • A maior obra de reconversão urbana em Portugal 20 anos depois
    3:47