sicnot

Perfil

Mundo

Implicado em homicídio de fotojornalista no México condenado a 315 anos de prisão

© Henry Romero / Reuters

Um juiz sentenciou a 315 anos de prisão um dos implicados no homicídio de cinco pessoas, incluindo o do fotojornalista Rubén Espinosa, ocorrido na capital mexicana em 2015, informou esta sexta-feira a Procuradoria-Geral da Justiça da Cidade do México.

Espinosa, que trabalhava para a agência de fotografia Cuartoscuro e para a revista Proceso, tinha chegado em junho de 2015 à capital mexicana depois de trabalhar cerca de oito anos em Xalapa, capital do estado oriental de Veracruz, onde tinha recebido ameaças.

O fotógrafo foi assassinado a par com quatro mulheres a 31 de julho de 2015 num apartamento na Cidade do México.

O juiz determinou que além dos 315 anos de prisão, o indivíduo não identificado deve pagar uma multa de 57.708,75 pesos (2.462 euros) e decretou a suspensão dos seus direitos políticos.

O comunicado refere que o processo contra os outros dois prováveis implicados no múltiplo homicídio continua em "fase de instrução".

O caso motivou críticas da comunidade jornalística, de associações civis e de vários organismos das Nações Unidas contra o então governador do estado de Veracruz, Javier Duarte.

Desde que foi conhecido o caso, Duarte foi apontado com um dos responsáveis da impunidade existente em Veracruz, considerada uma das regiões mais perigosas do mundo para exercer jornalismo.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.