sicnot

Perfil

Mundo

Implicado em homicídio de fotojornalista no México condenado a 315 anos de prisão

© Henry Romero / Reuters

Um juiz sentenciou a 315 anos de prisão um dos implicados no homicídio de cinco pessoas, incluindo o do fotojornalista Rubén Espinosa, ocorrido na capital mexicana em 2015, informou esta sexta-feira a Procuradoria-Geral da Justiça da Cidade do México.

Espinosa, que trabalhava para a agência de fotografia Cuartoscuro e para a revista Proceso, tinha chegado em junho de 2015 à capital mexicana depois de trabalhar cerca de oito anos em Xalapa, capital do estado oriental de Veracruz, onde tinha recebido ameaças.

O fotógrafo foi assassinado a par com quatro mulheres a 31 de julho de 2015 num apartamento na Cidade do México.

O juiz determinou que além dos 315 anos de prisão, o indivíduo não identificado deve pagar uma multa de 57.708,75 pesos (2.462 euros) e decretou a suspensão dos seus direitos políticos.

O comunicado refere que o processo contra os outros dois prováveis implicados no múltiplo homicídio continua em "fase de instrução".

O caso motivou críticas da comunidade jornalística, de associações civis e de vários organismos das Nações Unidas contra o então governador do estado de Veracruz, Javier Duarte.

Desde que foi conhecido o caso, Duarte foi apontado com um dos responsáveis da impunidade existente em Veracruz, considerada uma das regiões mais perigosas do mundo para exercer jornalismo.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.