sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 31 mortos em confrontos entre Daesh e exército sírio perto de Palmira

AP

Pelo menos 31 pessoas morreram nos últimos dois dias em combates entre a organização extremista Daesh e o exército sírio perto da cidade de Palmira, informou esta sexta-feira o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Segundo a organização não-governamental, pelo menos 18 "jihadistas" perderam a vida em bombardeamentos, disparos de artilharia e nos confrontos contra os soldados que contam com o apoio do movimento xiita libanês Hezbollah.

Do lado das forças leais ao regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, foram registadas pelo menos seis mortes: de cinco militares e de um miliciano do Hezbollah.

Além disso, sete soldados sírios morreram na sequência da explosão de um carro armadilhado pelos radicais na povoação de Sharifa, na província central de Homs, onde fica Palmira, património mundial da Unesco e um dos mais importantes centros culturais do mundo antigo.

Os combates decorrem em diversos pontos, como Sharifa, a zona desértica próxima de Palmira, e no aeroporto militar T4, onde as forças armadas tentam recuperar terreno perdido frente aos extremistas do Daesh.

O Daesh reconquistou o controlo de Palmira no início de dezembro, após lançar uma ofensiva contra posições das forças armadas sírias no leste da província de Homs, na fronteira com o Iraque.

A primeira vez que os radicais tomaram o controlo da cidade foi a 20 de maio de 2015, mas foram expulsos dez meses depois pelos soldados sírios, apoiados pela aviação russa.

A arte e a arquitetura de Palmira testemunham uma encruzilhada de diversas civilizações, onde confluem as técnicas greco-romanas com as tradições locais e influências persas.

Nos séculos I e II da nossa era foi um importante centro cultural e ponto de encontro das caravanas da Rota da Seda, que atravessavam o árido deserto do centro da Síria.

Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50