sicnot

Perfil

Mundo

Prosseguem buscas por sobreviventes após colapso de arranha-céus em Teerão

Vahid Salemi

Equipas de salvamento e resgate prosseguiram durante a madrugada com as buscas por sobreviventes em Teerão, depois do mais antigo arranha-céus da capital iraniana ter colapsado na quinta-feira, causando a morte de pelo menos 30 bombeiros.

Inúmeros socorristas, apoiados por dezenas de camiões, procuravam esta sexta-feira, entre os escombros, por vítimas, um dia depois de o histórico edifício Plasco, localizado no coração da capital iraniana, ter colapsado, na sequência de um incêndio.

O edifício Plasco situa-se no centro da capital iraniana, a norte da zona do mercado, e desmoronou-se em poucos segundos, de acordo com as imagens transmitidas pela televisão estatal.

Saeed Sharifizadegan, chefe do departamento dos bombeiros de Teerão, afirmou que "o fumo é um sinal de que o fogo continua ativo sob os escombros".

O Plasco, de 17 andares, foi construído no início da década de 1960 pelo empresário judeu iraniano Habib Elghanian.

Com o nome da empresa de plásticos de Elghanian, era o edifício mais alto da cidade naquela época.

Elghanian foi julgado por vários crimes, incluindo espionagem, e executado nos meses que se seguiram à revolução islâmica de 1979, que colocou no poder o atual poder e desencadeou a fuga da antiga comunidade judaica do Irão.

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32