sicnot

Perfil

Mundo

Assistência à investidura de Trump foi inferior às de Barack Obama

© Kevin Lamarque / Reuters

A investidura de Donald Trump como Presidente dos EUA teve muito menos pessoas a assistir do que a do primeiro mandato do seu antecessor, Barack Obama, há oito anos.

Fotos do mesmo espaço, o parque National Mall, aquando da cerimónia de investidura de Barack Obama, em 2009, mostram uma multidão que se estendia da parte ocidental do Capitólio até ao monumento a George Washington.Fotos do mesmo espaço tiradas na sexta-feira exibem grandes pedaços de espaços vazios.

Grupos pequenos e bancadas semivazias também pontuavam a rota do desfile presidencial. Hotéis no Distrito de Colúmbia informaram a existência de quartos disponíveis, uma raridade num evento tão importante como uma inauguração presidencial. E a frequência do metropolitano não se aproximou das últimas inaugurações.

Às 11:00 da manhã (o discurso público de Trump foi às 12:00), existiam 193 mil viagens registadas, segundo a conta na rede social Twitter deste serviço de transporte público. À mesma hora, há oito anos, o número era de 513 mil viagens. Quatro anos mais tarde, para a segunda inauguração de Obama de 317.000. A segunda inauguração de George W. Bush contou com 197.000, com referência às mesmas 11:00 horas.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.