sicnot

Perfil

Mundo

Mais de cinco mil jihadistas do Daesh e 820 civis morreram em quatro meses

© Sana Sana / Reuters

Pelo menos 5.701 membros do grupo jihadista Daesh e 820 civis morreram na Síria, nos últimos quatro meses, em bombardeamentos da coligação liderada pelos Estados Unidos, anunciou esta segunda-feira o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Os mortos são, na sua maioria, combatentes estrangeiros do EI e, entre eles, estão líderes do grupo, como Abu Omar al-Shishani, Abu al-Hiya al-Tunisi, Abu Osama al-Iraqui e Omar al-Rafidan.

A estes soma-se um outro dirigente do grupo, que morreu juntamente com a mulher e os quatro filhos menores, num ataque em Dabiq, no norte da província de Alepo (noroeste da Síria).

Os bombardeamentos das forças internacionais também já fizeram 141 baixas nas fileiras da Frente de Conquista do Levante (ex-filial síria da organização terrorista Al-Qaida) e pelo menos 149 entre combatentes radicais de outros grupos terroristas que atuam nas províncias de Alepo e Idleb.

Por outro lado, pelo menos 820 civis morreram nos mesmos bombardeamentos, em diferentes zonas do país, dos quais 193 eram menores e 117 mulheres, acrescentou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Para além desses, 90 efetivos das forças governamentais sírias ou das milícias leais ao Presidente Bashar al-Assad morreram num bombardeamento contra o quartel de uma brigada de artilharia e outras posições militares no monte Al-Zarda, em Deir al Zur (noreste).

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33