sicnot

Perfil

Mundo

Mais de cinco mil jihadistas do Daesh e 820 civis morreram em quatro meses

© Sana Sana / Reuters

Pelo menos 5.701 membros do grupo jihadista Daesh e 820 civis morreram na Síria, nos últimos quatro meses, em bombardeamentos da coligação liderada pelos Estados Unidos, anunciou esta segunda-feira o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Os mortos são, na sua maioria, combatentes estrangeiros do EI e, entre eles, estão líderes do grupo, como Abu Omar al-Shishani, Abu al-Hiya al-Tunisi, Abu Osama al-Iraqui e Omar al-Rafidan.

A estes soma-se um outro dirigente do grupo, que morreu juntamente com a mulher e os quatro filhos menores, num ataque em Dabiq, no norte da província de Alepo (noroeste da Síria).

Os bombardeamentos das forças internacionais também já fizeram 141 baixas nas fileiras da Frente de Conquista do Levante (ex-filial síria da organização terrorista Al-Qaida) e pelo menos 149 entre combatentes radicais de outros grupos terroristas que atuam nas províncias de Alepo e Idleb.

Por outro lado, pelo menos 820 civis morreram nos mesmos bombardeamentos, em diferentes zonas do país, dos quais 193 eram menores e 117 mulheres, acrescentou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Para além desses, 90 efetivos das forças governamentais sírias ou das milícias leais ao Presidente Bashar al-Assad morreram num bombardeamento contra o quartel de uma brigada de artilharia e outras posições militares no monte Al-Zarda, em Deir al Zur (noreste).

Lusa

  • Eis os novos heróis de Vila de Aves
    3:03
  • Desportivo das Aves fora da Liga Europa

    Desporto

    O Desportivo das Aves não vai à Liga Europa e o Sporting terá entrada direta na fase de grupos. Apesar da conquista da Taça de Portugal, a equipa avense não se licenciou em tempo útil para poder participar na prova da UEFA, apurou a SIC.

  • E agora, Sporting? Semana de decisões e incertezas
    2:53
  • "Para primeiro dia de pesca da sardinha, não foi mau"
    2:19
  • "Desfiliei-me do PS mas continuo socialista"
    1:29

    País

    José Sócrates garantiu este domingo que não atacará o PS e que continua a ser socialista. O antigo primeiro-ministro participou num almoço de apoio, em Lisboa, com cerca de 100 pessoas, a maioria anónimos.