sicnot

Perfil

Mundo

Mais de cinco mil jihadistas do Daesh e 820 civis morreram em quatro meses

© Sana Sana / Reuters

Pelo menos 5.701 membros do grupo jihadista Daesh e 820 civis morreram na Síria, nos últimos quatro meses, em bombardeamentos da coligação liderada pelos Estados Unidos, anunciou esta segunda-feira o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Os mortos são, na sua maioria, combatentes estrangeiros do EI e, entre eles, estão líderes do grupo, como Abu Omar al-Shishani, Abu al-Hiya al-Tunisi, Abu Osama al-Iraqui e Omar al-Rafidan.

A estes soma-se um outro dirigente do grupo, que morreu juntamente com a mulher e os quatro filhos menores, num ataque em Dabiq, no norte da província de Alepo (noroeste da Síria).

Os bombardeamentos das forças internacionais também já fizeram 141 baixas nas fileiras da Frente de Conquista do Levante (ex-filial síria da organização terrorista Al-Qaida) e pelo menos 149 entre combatentes radicais de outros grupos terroristas que atuam nas províncias de Alepo e Idleb.

Por outro lado, pelo menos 820 civis morreram nos mesmos bombardeamentos, em diferentes zonas do país, dos quais 193 eram menores e 117 mulheres, acrescentou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Para além desses, 90 efetivos das forças governamentais sírias ou das milícias leais ao Presidente Bashar al-Assad morreram num bombardeamento contra o quartel de uma brigada de artilharia e outras posições militares no monte Al-Zarda, em Deir al Zur (noreste).

Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.