sicnot

Perfil

Mundo

Oposição e regimes sírio reúnem-se pela primeira vez desde início da guerra

© Khalil Ashawi / Reuters

A oposição e representantes do Presidente sírio, Bashar al-Assad, sentam-se hoje, pela primeira vez desde o início da guerra na Síria, à mesa das negociações em Astana, capital do Cazaquistão.

Para o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, esta reunião vai ser "um importante contributo" para elaborar os parâmetros de um acordo político geral na Síria.

O diálogo entre o Governo de Al-Assad e a oposição vai continuar no início de fevereiro, em Genebra, num formato mais alargado, acrescentou Lavrov, cujo país é um dos organizadores desta reunião, juntamente com o Irão e a Turquia.

Para o vice-primeiro-ministro turco, Mehmet Simsek, uma solução para a guerra na Síria não pode excluir Bashar al-Assad. "Os Estados Unidos não fizeram o que deviam ter feito, o Irão e a Rússia desempenharam um papel significativo para garantir a sobrevivência do regime e, por isso, em defesa de um cessar-fogo permanente e um processo de resolução, é necessário ter em conta esta realidade", disse.

Sobre estas negociações, o responsável turco considerou que as "expetativas são elevadas". "Todos os atores importantes vão estar sentados à mesma mesa. Rússia, Irão, Turquia e os Estados Unidos foram convidados. Todos os atores-chave regionais e globais estarão" na capital cazaque, sublinhou.

A ONU vai acompanhar as negociações pelo emissário das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura. Na quinta-feira, à margem do Fórum Económico Mundial, em Davos (Suíça), o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou esperar que esta reunião possa "constituir um passo positivo com vista à retomada das negociações intra-sírias sobre a Síria em Genebra".

O regime sírio, que vai estar representado em Astana pelo embaixador na ONU, Bashar al-Jafari, opôs-se à participação da Arábia Saudita e do Qatar, que acusa de apoiarem os grupos extremistas islâmicos.A reunião de Astana foi organizada pela Turquia, que apoia a oposição, e pelo Irão e a Rússia, que apoiam o regime sírio.

A guerra na Síria começou em março de 2011 e provocou já provocou mais de 300 mil mortos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Com Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.