sicnot

Perfil

Mundo

Acusado de apoiar Daesh condenado a seis anos de prisão nos EUA

O escalar da ofensiva em Raqqa: A cidade síria continua a ser a "capital" do Daesh. O grupo extremista está a sofrer uma dupla ofensiva na Síria e no Iraque com os curdos a conquistarem a maior população a norte de Mossul e uma aliança árabe-curda a iniciar o ataque a Raqqa. Durante a campanha de Trump, o Presidente eleito prometeu um plano secreto para acabar com o Daesh e é durante 2017 que o mundo vai descobrir até que ponto este plano vai resultar.

© Rodi Said / Reuters

O departamento de Justiça norte-americano disse que um homem que manifestou o desejo de atacar a polícia ou o pessoal militar dos Estados Unidos por alegada fidelidade ao Daesh foi condenado a seis anos de prisão.

A procuradora Annette L. Hayes disse em comunicado que Daniel Seth Franey, também conhecido como Abu Dawuud, foi condenado na segunda-feira por um tribunal em Tacome por posse ilegal de armas de fogo.

Hayes disse que Franey, de Montesano, foi preso em fevereiro de 2016, depois de uma investigação, segundo a qual ele violou repetidamente a ordem que o proibia de possuir armas de fogo.

Franey tornou-se alvo de uma investigação federal depois de relatos de cidadãos sobre a sua retórica de violência, particularmente a apoiar o grupo Daesh.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Viver em Évora
    5:11
  • Ano letivo "de uma maneira geral começou bem"

    País

    O Presidente da República considerou esta sexta-feira que o ano letivo "de uma maneira geral começou bem" e defendeu a possibilidade serem feitas "correções" a situações "injustas ou discutíveis" entre os concursos que se realizam de quatro em quatro anos.