sicnot

Perfil

Mundo

Japão e Austrália procuram salvar Acordo Transpacífico após saída dos EUA

© Kevin Lamarque / Reuters

O Japão, a Austrália e outros países signatários do Acordo de Associação Transpacífico (TPP) intensificaram esta terça-feira os contactos para encontrarem uma resposta à saída dos Estados Unidos do pacto, e consideram opções como a abertura das portas à China.

O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, cumpriu esta segunda-feira a promessa eleitoral de retirar o seu país do TPP, uma peça fundamental na política externa do seu antecessor, Barack Obama, relativa à região da Ásia-Pacífico, e por cuja entrada em vigor ansiavam as outras 11 economias cossignatárias.

Os chefes de Governo do Japão e da Austrália - as duas maiores economias do TPP a seguir aos Estados Unidos -, Shinzo Abe e Malcolm Turnbull, deram hoje o primeiro passo para tentar salvar o acordo, não obstante o abandono da primeira potência mundial, se bem que Tóquio manifesta ainda a esperança de conseguir convencer Donald Trump a ratificar o acordo.

"Existe a possibilidade de o TPP prosseguir sem os Estados Unidos", afirmou Turnbull, depois de conversações telefónicas na véspera com Abe e com os líderes da Nova Zelândia e de Singapura.

Pelo seu lado, o Japão qualificou de "sem sentido" um acordo sem Washington "porque desequilibra a balança de interesses fundamentais", sublinhando ainda a sua intenção de convencer a administração Trump das vantagens do TPP, de acordo com o vice-porta-voz do Executivo, Koichi Hagiuda

O Japão foi, até agora, o único país que ratificou o tratado, visto por Tóquio como um contrapeso fundamental na sua estratégia de crescimento perante a crescente influência da China na região.

Entre as opções para um acordo transpacífico alternativo, Sidney deixou em aberto a possibilidade de levar o tratado por diante sem a assinatura dos Estados Unidos, ou de abrir a porta à China e à Indonésia, não incluídas no acordo.

"Existe certamente um potencial para que a China se junte ao TPP", afirmou o primeiro-ministro australiano, que valorizou o compromisso com a abertura aos mercados e ao livre comércio assumido pelo Presidente chinês, Xi Jinping, no seu discurso recente em Davos.

O gigante asiático e maior exportador mundial empreendeu esforços paralelos para aumentar a sua presença económica e comercial na região através da Associação Económica Regional (RCEP) e da zona de livre comércio na Ásia-Pacífico (ETAAP), e poderia estar perante o cenário ideal para ocupar o lugar deixado vago pelos Estados Unidos.

O Governo chinês não esclareceu ainda como encara a possibilidade de integrar o TPP, mas um centro de estudos associado ao Executivo assinalou o eventual interesse de Pequim em se associar ao pacto.

"Se acontecerem novas negociações sobre o TPP, não creio que haja algum obstáculo a que a China se junte", disse Teng Jiangun, diretor de Estudos Americanos do Instituto de Estudos Internacionais da China (CIIS), pertencente ao Ministério chinês dos Negócios Estrangeiros.

Para Tóquio, não obstante, convidar a China a sentar-se à mesa do TPP acarretaria um risco estratégico elevado, devido ao seu peso e a uma eventual reformulação das regras comerciais de acordo com os interesses de Pequim, pelo que os analistas nipónicos veem como mais provável que Tóquio concentre as suas energias em negociar um acordo bilateral com os Estados Unidos.

Entre os restantes signatários, Nova Zelândia, Singapura, Chile, México e Peru manifestaram-se dispostos a dar uma nova forma ao tratado, enquanto outros, como a Malásia ou o Vietname estão já à procura de alternativas, como sejam a de avançar com a integração económica da ASEAN - Associação de Nações do Sudeste Asiático.

O ministro chileno dos Negócios Estrangeiros, Heraldo Muñoz, disse a este propósito que o TPP tal qual se conhecia "já não está em cima da mesa", e acrescentou que foram iniciados contactos com os outros parceiros com vista a preparar a reunião de março próximo na cidade chilena de Viña del Mar para a analisar a situação depois da decisão Donald Trump.

Para a entrada em vigor do acordo é necessária a sua ratificação por países que representem, pelo menos, 85 por cento da economia do bloco, sendo que os Estados Unidos sozinhos pesavam 60 por cento do produto interno bruto (PIB) combinado dos 12 estados cossignatários.

O TPP foi assinado no início de 2016 depois de mais de seis anos de negociações pela Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Estados Unidos, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Vietname, economias que representam juntas 40% do PIB mundial.

Lusa

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Mundo tornou-se "mais sombrio e mais instável" em 2016

    Mundo

    O mundo tornou-se em 2016 "um local mais sombrio e mais instável", devido ao agravamento de conflitos como a Síria e dos "discursos do ódio" na Europa e Estados Unidos, considerou hoje a Amnistia Internacional no seu relatório anual.

  • Semáforos no chão para os mais distraídos

    Mundo

    Na cidade holandesa de Bodegraven, está a ser testado um sistema de semáforos para quem usa o telemóvel na rua. Estes semáforos têm a forma de faixas, que são colocadas no chão, e a luz muda de cor consoante o trânsito, tal como os semáforos já existentes.

    André de Jesus

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.

  • Cães desfilam no Rio de Janeiro
    1:00

    Mundo

    O tradicional cortejo de Carnaval brasileiro só acontece daqui a uns dias, mas no Rio de Janeiro já há inúmeros desfiles pelas ruas. Na praia de Copacabana, os animais mascararam-se de humanos.