sicnot

Perfil

Mundo

Greenpeace pendura faixa com a palavra "Resistam" numa grua perto da Casa Branca

© Carlos Barria / Reuters

Um grupo de ativistas da organização ambientalista Greenpeace desfraldou uma enorme faixa com a palavra "Resist" (Resista ou Resistam) numa grua a poucos quarteirões da Casa Branca, em Washington, em protesto contra a nova administração de Donald Trump.

A organização internacional de defesa do ambiente indicou na sua página na rede social Facebook que a ação visa alertar para o considera ser o "negacionismo (quanto às alterações climáticas, o racismo, a misoginia, a homofobia e a intolerância) de Donald Trump.

Sete ativistas penduraram-se numa das gruas num canteiro de obras na baixa de Washington e pendurou uma faixa, com 20 por 10 metros, com a palavra "Resist" escrita a vermelho num fundo amarelo.

A Greenpeace disse que a meio da manhã (tarde em Lisboa) os ativistas e a faixa ainda lá estavam. A faixa é visível a partir da residência oficial do Presidente dos Estados Unidos, a Casa Branca.

"As pessoas deste país estão prontas para resistir e para se erguer de uma forma como nunca o fizeram antes", disse Karen Topakian, membro da direção da Greenpeace.

A mesma responsável acrescentou que sente medo do "desdém e desrespeito de Trump pelas instituições democráticas" dos Estados Unidos. Mas também se afirmou "inspirada pelo movimento multi generacional de progresso que está a crescer em todos os Estados".

"A Greenpeace usa a não-violência para resistir a rufias tirânicos desde 1971, e não é agora que vamos parar", acrescentou Topakian.
Uma das ativistas que desfraldou a faixa, Pearl Robinson, declarou que "o sol nasceu esta manhã para uma nova América, mas não para a América de Trump".

"Não tenho receio apenas das políticas desta administração que está a entrar, mas também das pessoas que se sentem motivadas por esta eleição a cometer atos de violência e de ódio. É tempo de resistir", disse Robinson.

O capitão Robert Glover, da Polícia Metropolitana de Washington, disse à imprensa que as forças de segurança foram chamadas a um local de construção na baixa da capital norte-americana, onde estão duas gruas, no cruzamento da 15.ª rua com a rua L.

Quando chegaram ao local, os agentes detetaram três manifestantes já presos por cordas à grua - que tem 82 metros de altura, o correspondente a cerca de 24 andares. Outras quatro pessoas conseguiram subir à grua.

Os manifestantes disseram aos agentes da polícia que estavam envolvidos num protesto ao abrigo da Primeira Emenda (que, entre outros direitos, consagra o direito à liberdade de expressão).

O protesto surge um dia depois de o novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter adiado a aplicação de pelo menos 30 novas regras ambientais e ter avançado com a construção de dois oleodutos polémicos em território norte-americano.

Trump disse também na terça-feira - a vários fabricantes de automóveis - que vai reduzir as normas sobre meio ambiente para atrair e facilitar o regresso de fábricas aos Estados Unidos.

A nova administração na Casa Branca também congelou novos contratos e atribuição de bolsas da Agência de Proteção do Ambiente norte-americana.

Lusa

  • O pior é se Trump "cumpre mesmo todas as promessas da campanha" 
    0:59

    Opinião

    António Vitorino e Pedro Santana Lopes expressaram a opinião sobre a tomada de posse de Donald Trump e as decisões que já começou a tomar, prometendo o que cumpriu durante a campanha. Santana Lopes acusou Trump de ser "de Direita acentuada, quase radical". Por outro lado, António Vitorino diz que o pior é "se ele [Trump] cumpre mesmo todas as promessas da campanha". 

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.