sicnot

Perfil

Mundo

Outras democracias têm de defender direitos humanos na era de Trump

Os Estados Unidos sob a Presidência de Donald Trump parecem dispostos a renunciar ao seu papel de defensores internacionais dos Direitos Humanos, considerou esta quarta-feira a organização Human Rights Watch, exortando outras democracias a assumirem esta função.

"Estou muito preocupado com a possibilidade de perdermos a voz dos EUA como um defensor dos Direitos Humanos em todo o mundo", disse Kenneth Roth, diretor executivo da HRW, aos jornalistas, em Genebra.

Isto, alertou, pode ter terríveis consequências num mundo onde Washington tem sido há muito "uma voz importante para a sociedade civil, para o espaço cívico em muitos países".Roth disse ainda temer que determinados governos sejam tentados a "aproveitar a oportunidade da chegada de Trump para reprimir a dissidência".

O diretor executivo da organização de defesa dos Direitos Humanos com sede em Nova Iorque condenou várias medidas anunciadas desde que Donald Trump assumiu funções, incluindo as planeadas restrições a refugiados, vistos e imigração, e um decreto que impede o financiamento federal de qualquer organização não-governamental estrangeira que apoie o aborto.

"Isto não é um bom presságio para a liderança norte-americana em direitos humanos", disse, insistindo que "haverá uma necessidade urgente de outros governos na linha da frente".Os Estados da Europa ocidental não conseguirão carregar esse fardo sozinhos, considerou Roth, salientando a necessidade de os países democráticos em todo o mundo trabalharem em conjunto.

"Sem um verdadeiro compromisso mundial com os valores dos Direitos Humanos de todas as nações onde há, pelo menos internamente, um compromisso com esses valores, temo que este aumento global do populismo vá enfraquecer alguns dos pilares sobre os quais as Nações Unidos foram construídas", disse Roth.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.