sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela é o país mais corrupto da América Latina

© Marco Bello / Reuters

Dados divulgados esta quarta-feira pela organização não-governamental anticorrupção Transparência Internacional colocam a Venezuela como o país mais corrupto da América Latina.

A classificação faz parte do Índice de Perceção da Corrupção 2016, que inclui uma listagem de 176 países, em que a última posição, a de país mais corrupto, é ocupada pela Somália.

Quanto à América do Sul, em primeiro lugar está a Venezuela (166.º lugar), num continente onde o Haiti é o segundo país mais corrupto (159.º), seguido pela Nicarágua (145.º), Guatemala (136.º), Honduras (123.º), México e Paraguai (123.º).

Outros países da América Latina que figuram na lista são o Uruguai (21.º), Chile (24.º), Brasil (79.º), Colômbia (90.º), Argentina (95.º), Peru (101.º), Guiana (108.º), Bolívia (113.º), República Dominicana e Equador (120.º).

O Índice de Perceção da Corrupção 2016 chama a atenção de que "urge abordar o círculo vicioso da corrupção e desigualdade" e que "a ascensão de políticos populistas em numerosos países é um sinal de alerta".

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.