sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela é o país mais corrupto da América Latina

© Marco Bello / Reuters

Dados divulgados esta quarta-feira pela organização não-governamental anticorrupção Transparência Internacional colocam a Venezuela como o país mais corrupto da América Latina.

A classificação faz parte do Índice de Perceção da Corrupção 2016, que inclui uma listagem de 176 países, em que a última posição, a de país mais corrupto, é ocupada pela Somália.

Quanto à América do Sul, em primeiro lugar está a Venezuela (166.º lugar), num continente onde o Haiti é o segundo país mais corrupto (159.º), seguido pela Nicarágua (145.º), Guatemala (136.º), Honduras (123.º), México e Paraguai (123.º).

Outros países da América Latina que figuram na lista são o Uruguai (21.º), Chile (24.º), Brasil (79.º), Colômbia (90.º), Argentina (95.º), Peru (101.º), Guiana (108.º), Bolívia (113.º), República Dominicana e Equador (120.º).

O Índice de Perceção da Corrupção 2016 chama a atenção de que "urge abordar o círculo vicioso da corrupção e desigualdade" e que "a ascensão de políticos populistas em numerosos países é um sinal de alerta".

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.