sicnot

Perfil

Mundo

Faltam dois minutos e meio para o dia do juízo final na Terra

Sendo que a meia-noite assinala o dia do juízo final na Terra, um grupo de cientistas divulgou esta quinta-feira o Relógio do Apocalipse para o ano de 2017. Os ponteiros deste relógio foram adiantados 30 segundos, marcando agora 23h57m30s, devido a comentários de Donald Trump sobre o uso de armas nucleares e a sua descrença nas alterações climáticas.

O que é o Relógio do Apocalipse (Doomsday Clock, em inglês)?

Os minutos no relógio são uma metáfora para o quão vulnerável o mundo está de enfrentar uma catástrofe.

O engenho simbólico foi criado em 1947 pelo Boletim de Cientistas Atómicos (Bulletin of the Atomic Scientists, BPA, no original). O Boletim foi fundado na Universidade de Chicago por um grupo de cientistas de ajudou a desenvolver as primeiras armas atómicas.

Hoje em dia, o grupo inclui físicos e cientistas ambientais de todo o mundo e são eles que decidem o ajustamento do relógio, juntamente com um grupo de patrocinadores - que incluem 15 Prémios Nobel.

© Jim Bourg / Reuters

Porque é que foi adicionado meio minuto?

Nos últimos dois anos, o ponteiro do Relógio do Apocalipse ficou nos três minutos antes da hora. Contudo, o BPA diz que o perigo que um desastre global é ainda maior em 2017 e, deste modo, o ponteiro foi movido 30 segundos.

"Os comentários perturbadores de Donald Trump sobre o uso e a proliferação de armas nucleares, a descrença do novo Presidente dos EUA e da sua equipa nas alterações climáticas, afetaram a decisão da equipa. Assim como o crescente nacionalismo por todo o mundo", esta foi a explicação do grupo de cientistas, através de um comunicado publicado no seu site.

Bulletin of the Atomic Scientists

Como é que esta ameaça é comparada aos anos anteriores?

O relógio só esteve tão perto da meia-noite em 1953, quando apontou 23h58, devido aos testes de bombas de hidrogénio realizados naquela época pelos EUA e a então União Soviética.

O primeiro horário no Relógio do Fim do Mundo foi marcado em 1947 e registou sete minutos para a meia-noite, devido aos riscos inerentes à corrida nuclear após a 2.ª Guerra Mundial.

Em 2015 e 2016, o relógio marcou três minutos para a meia-noite e, os cientistas atribuíram o agravamento do quadro global ao aquecimento global e à ampliação e modernização das armas nucleares.

Em 1991, foi registado o tempo mais longo, com 17 minutos para a meia-noite, devido à assinatura do Tratado de Redução de Armas Estratégicas pela Rússia e pelos EUA.

© / Reuters

"Diagnóstico de médico"

Contudo, o BPA destaca que o relógio não é uma ferramenta de previsão, mas sim um "diagnóstico de médico": são levados em conta dados, sintomas e circunstâncias dos riscos globais, o que vai gerar assim a determinação do "quadro clínico".

O Relógio do Apocalipse já foi reajustado 24 vezes e, a partir de 2007, o aquecimento global passou a ser levado em conta.

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".