sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão diz que nunca foi chamado para conversar com ninguém da União Europeia

LUSA

O ativista angolano Luaty Beirão, que esta quinta-fereira foi recebido na subcomissão de direitos humanos do Parlamento Europeu, em Bruxelas, sublinhou que nunca foi "chamado oficialmente para conversar com ninguém da União Europeia" em Angola, "para nenhum tipo de diálogo".

O músico e ativista disse-o aos deputados e outros responsáveis europeus durante a sessão e repetiu-o aos jornalistas portugueses que participam numa visita organizada pelas delegações das instituições europeias em Lisboa.

"Nem se fala de apoio, nunca houve uma proposta nem uma iniciativa" da União Europeia (UE) para com o grupo de ativistas, entre os quais Luaty Beirão, que, desde 2011, tem realizado vários protestos em defesa dos direitos humanos em Angola e, por isso, sido "alvo de agressões e ameaças de morte".

O primeiro contacto de Luaty Beirão com responsáveis europeus aconteceu já na prisão, onde passou mais de um ano, com outros 16 ativistas.

O ativista confessou ter ficado "surpreendido" com "o discurso" que ouviu na subcomissão, segundo o qual a UE tem "um diálogo permanente com os defensores de direitos humanos e as ONG (organizações não-governamentais)" em Angola.

Reconhecendo o interesse da maioria dos eurodeputados pela situação em Angola, o ativista criticou as "entrelinhas da diplomacia", que chegam "perto da inação".

"Com recomendações não se tem chegado lá", recordou, pedindo medidas "mais vigorosas". Por exemplo, a "fiscalização" dos milhões de euros que as instituições europeias investem na sociedade civil angolana."Fiquei espantando", reconheceu, sublinhando que "são muito poucas" as ONG angolanas "credíveis".

Nesse sentido, deixou um alerta aos contribuintes europeus, que pagam esse investimento "do seu bolso".

É necessário saber se o dinheiro "foi realmente bem atribuído" e "se está a dar frutos", ou "se está alguém a beneficiar indevidamente de dinheiro que sai do bolso dos contribuintes europeus".

No final, as eurodeputadas portuguesas Ana Gomes (PS) e Marisa Matias (BE) concordaram com a necessidade de seguir o rasto do dinheiro europeu investido em Angola, mas reconheceram que "não há interesse" em fazê-lo.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.