sicnot

Perfil

Mundo

Maioria dos alemães aprova candidatura de Martin Schulz contra Merkel

Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu.

© Handout . / Reuters

A maioria dos alemães aprova a designação do antigo presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, como candidato social-democrata ao lugar de chanceler nas eleições gerais de 24 de setembro, por considerá-lo um rival à altura de Angela Merkel. É o resutado de uma sondagem da estação pública de televisão ARD.

De acordo com a sondagem da ARD, 64% dos alemães consideram acertada a decisão do Partido Social Democrata (SPD) de que Schulz seja o seu cabeça de lista nas eleições, em lugar do ainda líder do partido mais pequeno da coligação governamental, Sigmar Gabriel.

Entre o universo dos militantes social-democratas, a percentagem de aprovação desta decisão sobe para os 81%.

Não obstante este apoio, a trajetória política de Martin Schulz dentro da própria Alemanha é particularmente discreta.

Deputado ao Parlamento Europeu desde 1994, onde se manteve durante toda a sua carreira política, apenas em novembro último Schulz anunciou que deixava Estrasburgo para se dedicar à política do seu país.

Não surpreende, assim, que 65% dos respondentes na sondagem da ARD admita que desconhece a linha política de Schulz e que 45% considere problemática a sua pouca experiência na política interna alemã.

Ainda assim, Schulz é considerado um rival digno de enfrentar a atual chanceler e o seu índice de popularidade é semelhante ao de Angela Merkel.

Caso o cargo de chanceler resultasse de uma eleição direta, ambos recolheriam 41% dos votos, de acordo com o inquérito de opinião hoje divulgado.

Angela Merkel é considerada a mais competente para o cargo, com 78% de opiniões favoráveis, seguida de Schulz, com 68%.

O líder do SPD, vice-chanceler e ministro da Economia, Sigmar Gabriel, anunciou de forma inesperada na passada terça-feira a sua renúncia a apresentar-se como candidato às eleições gerais, depois de admitir que Schulz teria melhores hipóteses do que ele próprio no confronto eleitoral com Merkel.

A atual chanceler volta a apresentar-se como candidata à sua reeleição pela coligação de direita CDU/CSU, e, caso vença as eleições, exercerá o seu quarto mandato.

Lusa

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11