sicnot

Perfil

Mundo

Polícia austríaca detém oito suspeitos de ligações ao Daesh

Julian Stratenschulte

Pelo menos oito pessoas foram detidas esta quinta-feira na Áustria por suspeita de ligações ao grupo terrorista Daesh, anunciaram as autoridades austríacas.

As autoridades da Áustria apenas confirmaram a detenção de oito suspeitos, mas a imprensa daquele país noticiou que o número de alegados jihadistas ascendia a uma dezena.

As detenções resultam de uma operação que envolveu um grande dispositivo policial - com centenas de agentes - nas cidades de Viena (a capital) e Graz, no sul do país.

O diário Kurier, que cita "fontes oficiosas" da polícia austríaca, realça que o grupo de alegados islamitas procedia da antiga Jugoslávia e que estava a ser vigiado desde há várias semanas.

A maior parte das detenções - 11 segundo o Kurier e dez segundo a emissora pública ORF - deu-se em Graz, a segunda cidade do país, numa ação que envolveu cerca de 600 polícias.

A televisão ORF noticiou que cerca de 800 polícias participaram globalmente na operação, que incluiu buscas a dezenas de casas.

O ministério do Interior austríaco escusou-se a comentar a operação, afirmando que esta ainda não tinha terminado.

Segundo as fontes do Kurier, não existe neste momento qualquer ameaça terrorista concreta contra a Áustria, nem esta operação está relacionada de alguma forma com a detenção de um alegado terrorista islâmico em Viena na semana passada.

Os suspeitos detidos hoje são acusados de querer formar um grupo radical islâmico na Áustria de acordo com as ideias de Mirsad O., conhecido por "Ebu Tejma", um líder religioso islâmico de origem bósnia, condenado no ano passado por um Tribunal de Graz a 20 anos de cadeia por recrutar combatentes para o grupo terrorista Daesh.

Lusa

  • Alterações nos horários das farmácias têm o objetivo de evitar duplicação de serviços
    1:50
  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),