sicnot

Perfil

Mundo

Responsável do Banco Mundial defende tranquilidade perante medidas de Trump

© Jonathan Ernst / Reuters

O diretor do Banco Mundial para a América Central disse esta quinta-feira à EFE que região deve encarar com tranquilidade as "especulações e incertezas" sobre o novo presidente dos Estados Unidos.

"Trata-se de um caso em que existe incerteza global pelo que os países devem fazer um grande esforço para desagravar as incertezas domésticas" disse o espanhol Humberto López, responsável do Banco Mundial para a América Central, referindo-se a Donald Trump.

Questionado sobre o novo presidente dos Estados Unidos, López defendeu ainda que, "por um lado, é preciso abandonar a tentação de não fazer nada e contrabalançar as dúvidas com decisões e certezas domésticas".

Donald Trump tomou posse como chefe de Estado norte-americano na semana passada tendo já tomado uma série de decisões consideradas polémicas.

Os controversos anúncios sobre políticas comerciais e migratórias têm provocado reações contra Washington mas para Humberto López os "países devem fazer um esforço" para enfrentar a situação.

Nesse sentido, López sublinha que os governos devem ter progamas "bem definidos" e que devem ser executados atempadamente porque o "desassossego afeta negativamente os investimentos" e pode afastar os empresários para outras regiões do mundo.

Por outro lado, o mesmo responsável, afirmou que a "corrupção é o inimigo número um da América Central" mas mostrou-se otimista em relação ao sistema judicial dos vários países da região.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras