sicnot

Perfil

Mundo

Retirado corpo do último bombeiro morto em prédio de Teerão, 20 mortos confirmados

Vahid Salemi

As equipas de resgate recuperaram o corpo do último bombeiro desaparecido sob os escombros do edifício comercial que colapsou há nove dias no centro de Teerão, o que confirma que pelo menos 20 pessoas morreram na tragédia.

As vítimas mortais são 16 bombeiros e quatro outras pessoas, indicou o porta-voz dos bombeiros de Teerão, Yalal Maleki, citado hoje pelas agências oficiais iranianas.

As autoridades admitem no entanto que outras seis pessoas possam estar presas sob os escombros, já que as famílias notificaram o seu desaparecimento, disse na quinta-feira o subcomandante da Polícia de Teerão, o general Ali Reza Alipur.

O colapso do edifício, chamado Plasco e localizado a norte da zona do mercado no coração da capital iraniana, ocorreu a 19 de janeiro, após um grande incêndio, provocado por um curto-circuito, se propagar pelos seus 17 pisos.

Este foi o pior incêndio em Teerão desde que o fogo numa mesquita histórica causou a morte de 59 pessoas em 2005.

O Plasco, de 17 andares, foi construído no início da década de 1960 pelo empresário judeu iraniano Habib Elghanian.

Com o nome da empresa de plásticos de Elghanian, era o edifício mais alto da cidade naquela época.

Elghanian foi julgado por vários crimes, incluindo espionagem, e executado nos meses que se seguiram à revolução islâmica de 1979, que colocou no poder o atual poder e desencadeou a fuga da antiga comunidade judaica do Irão.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.