sicnot

Perfil

Mundo

Bélgica vai pedir explicações a Trump por proibição a cidadãos de países muçulmanos

© Francois Lenoir / Reuters

O primeiro-ministro belga Charles Michel disse este domingo que vai pedir explicações ao Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a proibição de entrada no país de cidadãos de vários países de maioria muçulmana.

"Estamos em desacordo com a proibição de acesso ao território (de cidadãos) de sete países muçulmanos. A Bélgica não seguirá o exemplo e pedirá explicações pela via diplomática", informou a porta-voz do chefe de Governo à agência estatal belga.

A Bélgica junta-se assim à Alemanha na rejeição da decisão de Trump, que já foi contestada na justiça, de proibir a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen.

A chanceler alemã Angela Merkel declarou-se este domingo contra a proibição temporária, adiantando que "a guerra contra o terrorismo não justifica que se coloque sob suspeita generalizada pessoas em função de uma determinada procedência ou religião", segundo o porta-voz do Governo alemão, Steffen Seibert.

O Presidente norte-americano considerou no sábado que o decreto de restrição à imigração e entrada de refugiados nos Estados Unido "está a funcionar muito bem".

"Está a funcionar muito bem. Vê-se nos aeroportos, por todo o lado", declarou Donald Trump durante uma breve cerimónia de assinatura de novos decretos. Desde sexta-feira que viajantes oriundos daqueles países foram impedidos de entrar em aviões com destino aos Estados Unidos, desencadeando protestos em vários aeroportos.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.