sicnot

Perfil

Mundo

Berlim vai defender cidadãos do veto de Trump em coordenação com UE

© Fabrizio Bensch / Reuters

O Governo alemão advertiu este domingo que defenderá "com determinação" e em coordenação com os seus parceiros da União Europeia (UE) os interesses dos seus cidadãos com dupla nacionalidade face ao decreto anti-imigração norte-americano.

Assinado na sexta-feira pelo Presidente, Donald Trump, o decreto proíbe a entrada a todos os cidadãos da Síria, Líbia, Sudão, Irão, Iraque, Somália e Iémen durante 90 dias, bem como aos refugiados de qualquer origem durante 120 dias.

"As nossas embaixadas em Washington estão a analisar com toda a celeridade possível as consequências que esse decreto pode ter para os nossos cidadãos com dupla nacionalidade", indicou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Sigmar Gabriel, num comunicado conjunto com o seu homólogo holandês, Bert Koenders.

O texto assinala a determinação de ambos os países de darem os passos necessários à escala da UE na defesa daqueles interesses, afirmando que as "medidas adequadas" serão tomadas rapidamente.

Os chefes da diplomacia da Alemanha e da Holanda destacam o seu compromisso com a luta contra o terrorismo, mas consideram que esta não deve contrariar os valores fundamentais, entre os quais a não-estigmatização das pessoas por razões de origem ou religião.

A medida norte-americana visa, segundo Trump, lutar contra os "terroristas islâmicos radicais".

"A proteção dos refugiados é um preceito ancorado no direito internacional, de acordo com a Convenção de Genebra, que não está em discussão", nota ainda o comunicado.

A aplicação do decreto anti-imigração já levou à detenção de 109 pessoas nas fronteiras e impediu cerca de 200 de voarem para os Estados Unidos.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48