sicnot

Perfil

Mundo

Decreto anti-imigração "não visa muçulmanos"

PETE MAROVICH / POOL

O Presidente norte-americano Donald Trump declarou este domingo que o decreto de encerramento das fronteiras a alguns refugiados e estrangeiros não visava especialmente os muçulmanos, ao mesmo tempo que cresce a contestação mundial à medida.

"Para que as coisas sejam claras, não se trata de uma proibição contra os muçulmanos, como os 'media' noticiam falsamente", afirmou.

"Isto não tem nada a ver com a religião, trata-se de terrorismo e da segurança do nosso país", sublinhou.

O milionário sublinhou que os sete países atingidos pela proibição (Iraque, Irão, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen) figuravam numa lista de nações usada durante a administração de Barack Obama: as pessoas que se tinham deslocado a estes Estados nos últimos cinco anos deixaram de ter direito a voltar aos Estados Unidos sem visto.

Trump afirmou também que a administração Obama tinha suspendido a atribuição de vistos a refugiados iraquianos durante seis meses, em 2011.

"Há mais de 40 países no mundo que têm uma maioria muçulmana e que não são afetados por este decreto", disse.

"A América sempre foi uma terra de liberdade e a pátria dos bravos. Manteremos a liberdade e a segurança, como os 'media' sabem, mas se recusam a dizer", acrescentou o Presidente norte-americano.

Trump recordou que a atribuição de vistos será retomada após o prazo de 90 dias de suspensão, altura em que novos procedimentos de controlo devem entrar em funcionamento.

Lusa

  • Medida anti-imigração de Trump provoca o caos nos aeroportos
    2:44

    Mundo

    As restrições impostas estão a provocar o caos nos aeroportos e muita confusão a quem está fora dos Estados Unidos e teme não conseguir entrar no país. A medida é considerada discriminatória por vários governantes internacionais. Já as companhias aéreas continuam a aceitar todas as reservas e a emitir bilhetes.

  • Nova lei de Trump sobre imigração contestada entre os republicanos
    2:31

    Mundo

    Os tribunais podem ser o próximo palco nas tentativas de travar a lei restritiva à imigração introduzida por Donald Trump. Um grupo de procuradores está a reunir informação jurídica, para decidir onde e quando apresentar argumentação legal, de modo a impedir a continuidade da lei assinada pelo Presidente. Entretanto, as dúvidas quanto à legalidade das medidas surgem agora no seio do próprio Partido Republicano.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.