sicnot

Perfil

Mundo

Centenas de pessoas protestam em Toronto contra a política de imigração de Trump

© Chris Helgren / Reuters

Centenas de manifestantes protestaram esta segunda-feira junto ao consulado dos Estados Unidos em Toronto, contra a nova política de imigração aprovada na sexta-feira pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

Segundo a página do evento no Facebook participaram no protesto pacífico denominado por "Apoiamos os Refugiados e os Muçulmanos" quase quatro mil manifestantes, entre as 08:00 e as 14:00 horas locais.

O protesto também passou junto à Câmara Municipal de Toronto, na Nathan Phillips Square, onde os organizadores pediram aos manifestantes que entrassem em contacto com os vereadores da autarquia e deputados para que estes demonstrassem o seu desagrado ao Governo dos Estados Unidos.

"Ninguém é ilegal (Nobody is ilegal)" e "Parem de Deportar Pessoas (Stop Deporting People)", foram algumas das palavras de ordem.
Joe Cressy, vereador da Câmara de Toronto, disse durante o protesto, num discurso, que "os canadianos podem fazer a diferença ao mostrarem indiferença".

"Podemos enviar uma mensagem a [Donald] Trump ao sermos diferentes na própria casa, no nosso trabalho, junto das nossas comunidades", frisou.

O autarca sublinhou a importância de os canadianos conseguirem combater a violência e o ódio de um homem como Donald Trump, "tendo um comportamento diferente".

Para Zara Kamani, uma canadiana de família paquistanesa, em declarações à agência Lusa, "é intolerável que qualquer tipo de Governo possa limitar um grupo de pessoas, discriminando-as".

"Estou aqui para apoiar a descriminação contra todas as raças e religiões", acrescentou.

Para a manifestante, o atentado de domingo à noite no Quebeque, que fez seis mortos e oito feridos, deve-se a "uma combinação de fatores após a chegada de Trump ao poder".

A assistir ao protesto esteve também o investigador político Craig Smith, para quem o que se está a passar nos Estados Unidos está a causar "repercussões sérias a todos", como "o que se passou no Quebeque".

"Foi triste e muito perigoso. Alguém precisar de fazer algo. É muito óbvio que o que sucedeu está relacionado com esta política", disse o canadiano.

Numa ordem executiva assinada na sexta-feira, Donald Trump suspendeu a entrada de refugiados nos Estados Unidos por pelo menos 120 dias e impôs um controlo mais severo aos viajantes oriundos do Irão, Iraque, Líbia, Somália, Síria e Iémen durante os próximos três meses.
A entrada em vigor da medida na sexta-feira à noite apanhou de surpresa as pessoas que já estavam no avião e prontas para seguir viagem.

Lusa

  • Protestos contra Trump chegam à Europa
    3:17

    Mundo

    Os protestos contra as medidas anti-imigração de Donald Trump já chegaram à Europa. No Reino Unido, mais de 1 milhão e 400 mil pessoas assinaram uma petição contra a visita do Presidente ao país. O Presidente da Câmara de Madrid acusou Trump de violar os direitos humanos e fez comparação com Adolf Hitler.

  • Quem não concorda com Trump "pode ir embora"
    0:29

    Mundo

    A Casa Branca continua a defender de forma vigorosa o decreto com as limitações de entrada nos Estados Unidos assinado na sexta-feira por Donald Trump. Perante a polémica em torno da medida, o porta-voz da Casa Branca lembrou esta segunda-feira que os representantes do Governo que não concordem com a decisão podem sempre ir-se embora.

  • "Decreto de Trump não tem força de lei"
    1:39

    Mundo

    A polémica ordem executiva de Donald Trump sobre imigração não tem força de lei. É um decreto temporário que pode ser declarado nulo pelos tribunais federais. A iniciativa do Presidente norte-americano é direcionada a cidadãos de sete países, como explica Cândida Pinto, editora de internacional da SIC.

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.