sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 1 milhão de assinaturas na petição contra a visita de Trump ao Reino Unido 

© Kevin Lamarque / Reuters

O Governo britânico tem rejeitado os apelos para o cancelamento da visita do Presidente dos EUA ao Reino Unido. O polémico decreto anti-imigração mobilizou a opinião pública contra a deslocação de Donald Trump. Uma fonte de Downing Street considerou, no entanto, que o cancelamento da visita seria "um gesto populista". Uma petição contra a visita oficial do Presidente dos EUA já reuniu, desde sábado, mais de 1 milhão de assinaturas.

Petições com mais de 100 mil assinaturas podem ir a debate no Parlamento de Londres. Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista britânico, considerou que a primeira-ministra Theresa May estaria a desiludir as pessoas caso decidisse não adiar a visita do Presidente norte-americano.

Petição contra a visita de Estado de Donald Trump ao Reino Unido

Numa ordem executiva assinada na sexta-feira, Trump suspendeu a entrada de refugiados nos Estados Unidos por pelo menos 120 dias e impôs um controlo mais severo aos viajantes oriundos do Irão, Iraque, Líbia, Somália, Síria e Iémen durante os próximos três meses.

"Vamos ter uma proibição muito, muito severa e vamos ter verificações completas, o que já devíamos ter neste país há muitos anos", sublinhou.

Desde sexta-feira que viajantes oriundos daqueles países foram impedidos de entrar em aviões com destino aos EUA, o que desencadeou protestos em vários aeroportos.

Theresa May, que cumpriu na semana passada uma visita oficial aos EUA, "não concorda" com a proibição temporária imposta por Trump, à entrada de cidadãos e refugiados de vários países de maioria muçulmana, informou um porta-voz do Executivo de Londres.

"A política de imigração nos Estados Unidos é um assunto do Governo dos Estados Unidos, tal como a política de imigração do nosso país deve ser estabelecida pelo nosso Governo", disse o porta-voz de de Downing Street numa declaração, divulgada pela imprensa. "Mas não estamos de acordo com este tipo de abordagem e não a vamos adotar", acrescentou.

  • Decreto anti-imigração "não visa muçulmanos"

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump declarou este domingo que o decreto de encerramento das fronteiras a alguns refugiados e estrangeiros não visava especialmente os muçulmanos, ao mesmo tempo que cresce a contestação mundial à medida.

  • Medida anti-imigração de Trump provoca o caos nos aeroportos
    2:44

    Mundo

    As restrições impostas estão a provocar o caos nos aeroportos e muita confusão a quem está fora dos Estados Unidos e teme não conseguir entrar no país. A medida é considerada discriminatória por vários governantes internacionais. Já as companhias aéreas continuam a aceitar todas as reservas e a emitir bilhetes.

  • A primeira líder recebida pelo novo Presidente dos EUA
    1:44

    Mundo

    A primeira-ministra britânica foi a primeira líder mundial a ser recebida pelo novo Presidente dos Estados Unidos da América. Com Donald Trump, Theresa May falou sobre a NATO, o Brexit e a relação especial entre os dois países. Durante o encontro, o Presidente Trump elogiou a saída britânica da União Europeia como ato de soberania e aceitou ainda o convite para visitar o país.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.